Invest Blog

Invest Focus


Acompanhe os destaques e principais tendências do dia que influenciam as bolsas em todo o mundo
  • novembro
    A política monetária volta a estar em destaque na próxima semana. Além das minutas da Fed e do BCE relativas às últimas reuniões dos bancos centrais, vários membros dos bancos centrais irão discursar ao longo da semana.

    A época de resultados do 3.º trimestre está prestes a terminar com o destaque para as contas dos retalhistas norte-americanos, tais como Kohl's, Home Depot, Lowe's, Macy's e Target.

    Segunda-feira, 18 de Novembro 2019

    • Discursos de vários membros do BCE: Guindos (09h00), Hernandez de Cos (12h30) e Lane (13h20)
    • 17h00: Discurso de Mester, membro da Fed

    Terça-feira, 19 de Novembro 2019

    • 09h00: Conta Corrente do BCE
    • 13h30: Licenças de Construção EUA
    • 14h00: Discurso de Williams, membro da Fed
    • 23h50: Balança Comercial Japão
    • Resultados Empresariais Europa: Easyjet
    • Resultados Empresariais EUA: Kohl's, Home Depot, TJX

    Quarta-feira, 20 de Novembro 2019

    • 07h00: Índice de Preços ao Produtor Alemanha
    • 15h30: Reservas Semanais de Energia EUA
    • 19h00: Minutas da reunião de política monetária da Fed no dia 30 de Outubro
    • Resultados Empresariais EUA: Lowe's (AA), Target (AA)

    Quinta-feira, 21 de Novembro 2019

    • Discursos de vários membros do BCE: Mersch (08h10), Guindos (09h40 e 19h00)
    • Discursos de vários membros da Fed: Mester (13h30) e Kashkari (15h10)
    • 12h30: Minutas da reunião de política monetária do BCE no dia 30 de Outubro
    • 13h30: Pedidos de Subsídio de Desemprego
    • 15h00: Vendas de Casas Usadas EUA
    • 15h00: Confiança do Consumidor Zona Euro
    • Resultados Empresariais Europa: Thyssenkrupp, Royal Mail 
    • Resultados Empresariais EUA: Gap, Macy's (AA), Nordstrom (F), Ross Stores (21h00), Intuit (DF)
     
    Sexta-feira, 22 de Novembro 2019

    • Acções da Novabase negoceiam sem direito ao dividendo
    • 07h00: PIB Alemanha
    • Índice PMI: França (08h15), Alemanha (08h30), Zona Euro (09h00) e EUA (14h45)
    • Fitch avalia dívida soberana portuguesa

    Para consultar a agenda semanal, aceda ao link abaixo: 

    Agenda Semanal - 18 a 22 Novembro 2019   

    Para consultar os resultados empresariais, aceda ao link abaixo: 

    Resultados Empresariais - 18 a 22 Novembro 2019    
  • Sector de semicondutores é a estrela do dia
    Fonte: Thomson Reuters
    semi
    Os resultados da empresa barómetro da indústria de semicondutores Applied Materials está a ajudou a animar as empresas do sector de semicondutores

    O "outlook" e contas trimestrais da Applied Materials surpreendem pela positiva:

    - EPS: $0,80 vs. $0,76 Est.
    - Receitas: $3,75 mil mn vs. $3,68 mil mn Est.
    - Margem bruta ajustada: 43,8% vs. 43,4% Est.

    Para o 1.º trimestre fiscal a empresa estima alcançar vendas líquidas entre $3,95 mil mn - $4,25 mil mn superando os $3,71 mil mn esperados pelos analistas. 

    Várias casas de investimento melhoraram as suas recomendações tais como a Morgan Stanley que elevou o preço-alvo de $43 para $61 por acção com recomendação "equalweight".
  • Onde estão os "gurus" dos mercados a investir?
    Estas são as posições das carteiras do seguintes "gurus" à data de 30 de Setembro de 2019:

    1) Buffett - Berkshire

    buffett
    2) Bill Ackman - Pershing Square

    ackman
    3) Fundação Bill & Melinda Gates 

    gates
    4) Pat Dorsey - Dorsey Asset Management

    dorsey
  • Um conto de fadas que se tornou pesadelo para os unicórnios
    Fonte: Statista
    unicorns
    O ano de 2019 não está a ser bom para os unicórnios que deixaram o seu habitat natural para sobreviver num mundo frio e hostil dos mercados accionistas.

    Os unicórnios mais populares como a Slack, Lyft e Uber, entre outros perderem milhares de milhões de dólares em capitalização bolsista desde a sua estreia no mercado accionista este ano.

    O conto de fadas dos unicórnios já não está a encantar os mercados accionistas. Os pequenos accionistas foram os mais prejudicados porque foram os últimos na corrida para conquistar uma fatia desses sonhos "hi-tech".
  • Dívida pública deverá dar rendibilidades nulas na próxima década - Schroders
    Fonte: Thomson Reuters
    bonds1
    Entre 2009 e 2019, um investimento em obrigações soberanas europeias rendeu 5,8%, rendibilidades que não serão repetidas nos próximos anos. As estimativas da Schroders apontam para uma rendibilidade de 0,2% na próxima década. Já a dívida pública americana não deverá ir além de 1,9%, abaixo dos 4,2% alcançados no pós-crise.

    Títulos de países como a Alemanha negoceiam em valores cada vez mais negativos, com os investidores dispostos a assumir uma posição com rendibilidades negativas, na expectativa de que o juro fique ainda mais negativo. Um movimento que colocou 30% da dívida global, um total de 17 biliões de dólares, a negociar em valores inferiores a zero.

    bonds
    Face à ausência de rendibilidade na dívida pública dos principais mercados desenvolvidos, os emergentes deverão ser a excepção ao ambiente de baixos rendimentos. As obrigações soberanas nestas regiões poderão render 5,7%, uma rendibilidade inferior aos 7,4% alcançados no período entre 2009 e 2019.
  • Novo recorde de 320% do PIB
    Fonte: Bloomberg
    debt
    No final do primeiro semestre deste ano, a dívida mundial – englobando famílias, empresas, sector financeiro e Estado – atingiu um novo máximo de 250,9 biliões de dólares.

    Este nível de endividamento gigante representa um rácio recorde de 320% do Produto Interno Bruto mundial, segundo o relatório publicado pelo Institute of International Finance (IFF). O IIF estima que a dívida global deverá atingir 255 biliões de dólares no final do ano, subindo o rácio para 325% do PIB mundial.

    Seis economias destacam-se por registarem níveis de endividamento público acima de 100% do PIB: Japão (227,9%); Líbano (153,1%); Singapura (113,8%); Reino Unido (105%); Zona Euro (100,8%); e EUA (100,5%).
  • Mercados europeus abriram em alta com possível acordo "fase um" para breve
    Fonte: Banco Invest, Bloomberg
    151119
    Os mercados europeus abriram em alta, com os investidores animados com as declarações do presidente norte-americano, Donald Trump, ontem, de que o acordo de "fase um" poderá estar para breve, mas não está fechado. 

    Na Ásia, o índice Nikkei 225 fechou a subir 0,70% depois da produção industrial no Japão em Setembro ter subido para 1,7% de 1,4% no mês anterior. A utilização de capacidade no mês de Setembro ascendeu aos 1% também superando a queda de 2,9% em Agosto. As praças chinesas encerraram em queda.

    As principais bolsas norte-americanas encerraram na linha de água com o índice S&P 500 atingindo um novo máximo de sempre, nos 3.102,61 pontos. Jerome Powell, presidente da Reserva Federal falou perante a comissão do orçamento da Câmara dos Representantes ontem. Ele declarou ontem que continua preocupado com a dimensão da dívida do país. Na sua opinião, o elevado endividamento dos EUA "poderá restringir a vontade e capacidade dos responsáveis pelas políticas orçamentais de apoiarem a actividade económica durante uma recessão". 

    Dados Macroeconómicos:

     04h30: Produção Industrial (Set)

     10h00: Balança Comercial (Set)

     10h00: Inflação (Out)

     11h00: Actividade Turística (Set)

     13h30: Empire Manufacturing (Nov)

     13h30: Índice de Preços das Importações (Out)

     13h30: Vendas a Retalho (Out)

     14h15: Produção Industrial (Out)

     15h00: Stocks das Empresas (Set)


    Eventos:

     08h00: Discurso de Mersch, membro do BCE

     15h00: Disurso de Weidmann, presidente do Bundesbank


    Resultados Empresariais:

     AP Moller - Maersk, CNP Assurances (06h30), LEG Immobilien AG, REN (DF), Glintt (DF)


    Estes são os principais destaques da imprensa hoje:

     Governo esvazia englobamento das rendas no IRS

     Venda de malparado do Novo Banco aprovada com reservas

     A difícil tarefa de escolher um CEO para o Montepio

     Meta de 2019 será cumprida mesmo que PIB quase estagne

     Alemanha puxa UE para recessão mas Portugal cumpre metas

     Há seis anos que não havia tantos professores a reformar-se

     Brexit tira cem mil turistas ingleses de Portugal

     Nazismo vs. comunismo: Polémica chega à Assembleia da Republica

     Falta de chuva dá a Espanha pretexto para fechr a "torneira" do Tejo

  • Crescimento de utilizadores mais rápido das redes sociais
    Fonte: FT
    tiktok
    Há uma nova rede social a fazer furor em todo o mundo. Já tem mais de mil milhões de utilizadores mensais activos em todo o mundo, tornando-a quase três vezes maior do que o Twitter. Mesmo assim, estatisticamente, é provável que nunca tenha ouvido falar dela. Ou até já pode ter ouvido, mas não sabe para que serve.

    Mas, afinal, o que é o TikTok? É uma rede social de vídeos curtos, com no máximo 15 segundos. Actualmente é o app número 1 no iOS dos EUA e acaba de ultrapassar o Facebook como plataforma preferida entre os adolescentes. 

    tik
    O TikTok pertence a uma empresa chinesa chamada ByteDance, uma "startup" de $75 mil mn que é a mais valiosa do mundo.

    O Facebook está a testar uma nova ferramenta do Instagram, a "Reels" para o utilizador pode gravar e editar vídeos de 15 segundos com rapidez e compartilhar com amigos. Se soa familiar, é porque é uma ferramenta idêntica ao da TikTok.
  • Será que os "inflows" poderão impulsionar ainda mais os mercados?
    Fonte: Citi
    citi
    As acções mundiais valorizam 20% desde o início do ano. No entanto, assistiu-se a saídas de dinheiro dos fundos de acções no montante de $230 mil mn em 2019.

    Esta situação só se verificou em 2012 e 2016. Em ambos os casos, as saídas de dinheiros dos fundos depois transformaram-se em entradas para os fundos e as acções globais subiram mais 20% nos próximos 12 meses.

    Em Novembro, as entradas de dinheiro em fundos de acções, tanto dos mercados desenvolvidos, como nos emergentes aumentaram pela primeira vez em dois anos.

  • Disney fez num dia o que a HBO demorou 4 anos a fazer
    Fonte: CNBC
    streaming
    A Disney Plus assegurou mais de 10 milhões de subscrições no primeiro dia do lançamento do novo serviço de "streaming", superando as expectativas dos analistas que estimavam ser necessário um ano para garantir este número.

    As acções da disparam 7,32%, atingindo uma capitalização bolsista de $268 mil mn, mais do que o dobro do que a Netflix, que tem vindo a reduzir devido à desaceleração do crescimento das suas receitas e aumento da concorrência.

    A Credit Suisse acredita que as acções da Disney ainda têm algum "upside" e elevou o seu preço-alvo para $163 dos $150 anteriores.
  • Daimler pode perder milhões devido aos custos com o CO2
    Fonte: @Schuldensuehner
    CARS
    As acções da Daimler perdem mais de 3% hoje, após a fabricante de automóveis alemã ter alertado os analistas financeiros sobre os custos com o cumprimento das regras de CO2 e que podem chegar aos milhares de milhões de euros.

    Segundo a estimativa dos analistas, a Mercedes teria em 2019 um lucro operacional de €10 mil mn mas essa estimativa pode ser reduzida em um quinto. Razões para isso residem nos custos adicionais para electrificar a gama Mercedes e no impacto da redução das vendas de veículos comerciais pesados. 

    A empresa alemã prevê prejuízos entre €1,2 mil mn e €1,5 mil mn com a divisão de pesados oscilando entre os €700 mn e os €800 mn. Ola Kallenius, CEO da Daimler espera que o seu agressivo programa de corte de custos permita poupar alguns milhões, mesmo que os ventos estejam contrários em termos de tensões comerciais e a estratégia de electrificação seja bastante cara.
  • Ainda não foi desta que entrou em recessão
    Fonte: @charliebilello
    gdp
    A maior economia europeia escapou ao cenário de recessão técnica ao apresentar um crescimento de 0,1%, no terceiro trimestre do ano, em comparação com os três meses anteriores.

    Hoje vários países apresentam os seus dados do produto interno bruto. A Eurostat divulga a estimativa rápida para o PIB da Zona Euro e da União Europeia do 3.º trimestre, às 10h00. Portugal também deverá mostrar um crescimento perto de 2% no 3.º trimestre, pelas 09h30.
  • Mercados europeus em leve queda com resultados empresariais em foco
    Fonte: Banco Invest, Bloomberg
    141119
    Os mercados europeus abriram em leve queda com várias empresas apresentarem os seus resultados do 3.º trimestre. A economia alemã cresceu 0,1% no 3.º trimestre face ao 2.º trimestre, acima das previsões dos economistas de uma queda de 0,1%, evitando assim a entrada numa recessão que normalmente resulta depois da desaceleração do PIB durante dois trimestres consecutivos.

    Na Ásia, o índice Nikkei 225 fechou a cair 0,76% e as praças chinesas encerraram mistas. Em Outubro, a produção industrial na China foi de 4,7% em Outubro (vs. 5,4% esperados) e as vendas a retalho desceram para 7,2% (vs. 7,8% previstos).

    As bolsas norte-americanas encerraram positivas com o índice Dow Jones a atingir máximos recorde durante da sessão. O destaque da sessão foi para as acções da Disney que valorizaram mais de 7%, depois do arranque do seu serviço de "streaming" Disney+ que já conta com 10 milhões de subscritores. Jerome Powell, presidente da Reserva Federal também disse ontem que o banco central norte-americano prevê fazer uma pausa nas suas intervenções sobre as taxas de juro enquanto o crescimento económico se mantiver.
     
    Dados Macroeconómicos:

     02h00: Produção Industrial (Out)

     02h00: Vendas a Retalho (Out)

     06h30: Taxa de Desemprego (3.º Tri)

     07h00: PIB (3º Tri)

     07h45: Inflação (Out)

     08h00: Inflação (Out)

     09h30: PIB (3.º Tri)

     09h30: Vendas a Retalho (Out)

     10h00: PIB (3.º Tri)

     13h30: Índice de Preços ao Produtor (Out)

     13h30: Pedidos de Subsídio de Desemprego


    Eventos:

     Discursos de vários membros do BCE: Guindos (09h45), Lane (11h00), Knot (14h00)

     Discursos de vários membros da Fed: QuarLES (10h30), Evans (14h10), Daly (16h45), Williams (17h00), Bullard (17h20) e Kaplan (18h00)

     15h00: Discurso de Powell, presidente da Fed no Congresso


    Resultados Empresariais:

     K+S (06h00), Merck (06h00), KBC Group (06h00), Bouygues (06h30), RWE, Henkel, Burberry, Inmarset

     Viacom (AA), Walmart (12h00), Nvidia (DF), Applied Materials (DF)


    Estes são os principais destaques da imprensa hoje:

     Pensões com aumentos abaixo de 1% em 2020

     Sonae estuda criar sociedade de investimento imobiliário

     Capitais de risco têm 4,6 mil milhões de euros sob gestão

     Alibaba enfrenta tumultos e vai para a bolsa de Hong Kong

      CP junta academia e indústria para fabricar comboio português

     Orçamento vai dar incentivos para empresas subirem salários

     Há doentes que morrem antes de ser chamados para juntas médicos

     Imposto faz baixar consumo de bebidas com mais açúcar

     Governo vai compensar empresas pelo aumento do salário mínimo

     Como Lalanda conseguiu dominar o negócio do sangue

     Partidos pequenos só tiveram minuto e meio. O que disseram

  • Wall Street em leve queda com Trump a defraudar expectativas
    Fonte: Banco Invest, Bloomberg
    US131119
    Estes são os principais destaques:

    • Luckin Coffee (LK): A concorrente chinesa da Starbucks reportou lucros acima do previsto.

    - EPS: $(0,32) vs. $(0,38) Est.
    - Receitas: $219 mn vs. $210,2 mn Est.

    • Chesapeake Energy (CHK): A Comstock Resources está em conversações para adquirir as reservas petrolíferas que Chesapeake tem em Louisiana.

    • Tech Data (TECD): A Apollo vai adquirir a Tech Data por $130 por acção em dinheiro, avaliando a empresa em $5,4 mil mn.

    • Nike (NKE)/Amazon (AMZN): Nike cancelou o seu projecto piloto para vender os seus produtos directamente na Amazon.

    • Tesla (TSLA): O Ministério da Indústria chinês aprovou a licença para a Tesla poder fabricar veículos 100% eléctricos de passageiros. Por outro lado, o governo alemão estima que a produção na fábrica alemã da Tesla terá início no primeiro trimestre de 2021.

    • Tilray (TLRY): Prejuízos pior do que as expectativas

    - EPS: $(0,50) vs. $(0,29) Est.
    - Receitas: $51,1 mil mn vs. $48,9 mil mn Est.

    • Apple (AAPL): A RBC Capital subiu o preço-alvo das acções da Google para $295 devido ao negócio do iPhone que continua a gerar um cashflow significativo e o 5G deverá acelerar o seu crescimento.

    • Alphabet (GOOGL): A Google juntou-se com o Citigroup e bancos de poupanças da Universidade de Stanford vai começar a oferecer contas bancárias.

    • Alibaba (BABA): A Alibaba pretende listar-se na bolsa de Hong Kong antes do final de Novembro.

    • Canada Goose (GOOS): A empresa canadiana de vestuário apresentou resultados acima do esperado devido às suas vendas de casacos e parkas.

    - EPS: C$0,57 vs. C$0,46 Est.
    - Receitas: $294 mn vs. $271 mn Est.
  • Falta um mês para as eleições
    Fonte: YouGov
    uk
    A libra esterlina segue em leve alta nos $1,2858 com as esperanças de uma vitória dos Conservadores a compensarem os indicadores económicos fracos. A inflação anual britânica desacelerou 1,5%, em Outubro, para o seu menor nível desde 2016.

    Segundo uma sondagem realizada pelo YouGov, divulgada ontem, o Partido Conservador de Boris Johnson lidera as sondagens com uma vantagem de 14 pontos sobre o Partido Trabalhista. O apoio aos Conservadores foi para 42%, contra os 28% dos trabalhistas. No entanto, os liberais-democratas, pró-União Europeia, têm 15% e o Partido do Brexit soma 4%.
  • Impasse político penaliza Madrid
    Fonte: @Schuldensuehner
    ibex
    Madrid é a praça mais penalizada hoje com os investidores a prepararem-se para mais instabilidade, depois do pré-acordo entre os socialistas e o partido de extrema-esquerda que ainda carece de maioria, após a eleição inconclusiva, pela segunda vez este ano.

    O novo parlamento será constituído a 3 de Dezembro seguindo da votação para o primeiro ministro. Para Pedro Sanchez ser eleito, terá de obter uma maioria absoluta, ou seja 176 votos do total de 350, no entanto o PSOE e o Podemos não têm os deputados necessários e necessitarão do voto de outros partidos.
  • Mercados europeus abriram em queda aguardando decisão sobre as tarifas
    Fonte: Banco Invest, Bloomberg
    131119

    Os mercados europeus abriram em queda com os investidores aguardarem a decisão da Casa Branca, que tem até hoje, para decidir se aplica a tarifa aduaneira de 20% à importação de carros e componentes automóveis oriundos da União Europeia, ou se volta a adiar essa imposição por mais seis meses. 

    Na Ásia, o índice Nikkei 225 fechou a cair 0,85% e as praças chinesas encerraram no vermelho. As acções de Hong Kong caíram mais de 2% com a intensificação da violência dos protestos.

    As bolsas norte-americanas encerraram em leve alta depois do discurso de Donald Trump, onde enalteceu as políticas levadas a cabo pela sua administração, a nível económico e em relação às negociações comerciais. No entanto, voltou a criticar a actuação da Reserva Federal dos Estados Unidos que está a dificultar a vida à Casa Branca ao penalizar a capacidade competitiva do país.

    Dados Macroeconómicos:

     07h00: Índice de Preços no Consumidor (Out)

     09h30: Índice de Preços no Consumidor (Out)

     10h00: Produção Industrial (Set)

     11h00: Índice de Custo do Trabalho (3.º Tri)

     11h00: Índice de Preços no Consumidor (Out)

     13h30: Índice de Preços no Consumidor (Out)

     23h50: PIB (3.º Tri)


    Eventos:

     10h00: Leilão de Obrigações do Tesouro, com maturidade em 2029 e um montante indicativo entre €750 mn e €1.000 mn

     15h00: Debate quinzenal com o Primeiro-Ministro, no Parlamento

     Início das audiências públicas do "impeachment" de Trump no Congresso

     Presidente Trump anuncia a sua decisão sobre as tarifas dos automóveis europeus

     16h00: Discurso de Powell, presidente da Fed no Congresso

     18h30: Discurso de Kashkari, membro da Fed


    Resultados Empresariais:

     ABN AMRO Bank (06h00), Lanxess (06h00), Altice Europa (16h30), Sonae SGPS (DF)

     Cisco Systems (DF), NetApp (DF)


    Estes são os principais destaques da imprensa hoje:

     Proposta de salário mínimo de 635 euros não convence patrões

     Autoeuropa bate novo recorde de produção

     Crédito mais caro ajuda margem financeira

      Auditoria vai investigar venda de créditos do Novo Banco a fundos

     Sánchez e Iglesias chegam a acordo por "necessidade histórica"

     Mercado ajuda Governo a atingir objectivo nos salários

     Cruz Vermelha quer vender hospital, Santa Casa está interessada. Negócio pode ser em breve

     Banca empurra clientes do crédito à habitação para taxa fixa a 30 anos

     Poder de compra cresce em Lisboa e baixa no Porto

     Carlos Moedas: "A geringonça estagnou as reformas"

     Governo afasta desaceleração em 2020 nas reuniões sobre OE

  • Índices S&P 500 e Nasdaq Composite em máximos históricos
    Fonte: Bloomberg
    trumpSP500
    O índice S&P 500 ultrapassou os 3100 pontos pela primeira vez na história enquanto o índice Nasdaq Composite superou os 8.500 pontos.

    Hoje os investidores aguardam o discurso de Donald Trump pelas 17h00. Espera-se que Trump dê pistas sobre a evolução das negociações com a China em relação à guerra comercial.

    As acções da Craft Brew Alliance dispara 121% depois de a Anheuser-Busch Inbev ter anunciado que vai comprar a totalidade da empresa num acordo de $321 mn.
  • PSOE e Podemos chegam a pré-acordo de coligação
    Fonte: Bloomberg
    ibex
    O PSOE e o Unidas Podemos assinaram hoje um pré-acordo de governo de coligação, menos de 48 horas depois das eleições gerais. O acordo vai agora ser aberto a outras forças políticas, em busca de uma maioria parlamentar.

    Nas eleições, o PSOE obteve 120 deputados e o Unidas Podemos conseguiu 35. Juntos, têm 155 deputados. No parlamento espanhol, a maioria absoluta é conseguida com 176 parlamentares.
  • Disney+ estreia hoje
    Fonte: Disney
    dis
    O novo serviço de "streaming" Disney Plus foi lançado hoje nos Estados Unidos, Canadá e Holanda, e chega a outros países europeus a 31 de Março. 

    Para Portugal ainda não há data prevista, mas os responsáveis da Disney asseguram que, a partir do lançamento em Espanha, França, Itália, Alemanha e Reino Unido, a 31 de Março de 2020, o serviço de visionamento por subscrição “vai expandir-se rapidamente” para outros países europeus.

    O Disney+ já tem 1,9 milhão de subscritores nos EUA antes do seu lançamento hoje, de acordo com a Jumpshot. 34% desses subscritores usam pelo menos um outro serviço de "streaming". A Disney prevê conquistar entre 60 e 90 milhões de subscritores até 2024.

    disney
  • Liquidez dos gestores de fundos globais em mínimos de 6 anos - BofAML
    Fonte: BofAML
    cash
    O Bank of America Merrill Lynch revelou que, segundo o seu inquérito a gestores de fundos globais, realizado em Novembro, a alocação em liquidez desceu para mínimos desde as eleições dos EUA em Novembro de 2016 (4,2%) e os saldos de liquidez estão em mínimos desde Junho de 2013.

    As expectativas crescentes de um acordo comercial entre EUA e China levaram os gestores de fundos a reavaliar as suas posições. O "fear of missing out" desencadeou uma realocação dos gestores de fundos de liquidez para as acções.

    fomo
ACESSO INVEST ONLINE
Este site utiliza cookies para funcionar correctamente. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. SABER MAIS Concordo