FIQUE A PARAcompanhe os destaques e principais tendências do dia que influenciam as bolsas em todo o mundo.
Outlook Análise Técnica Research Investimento Educação
01.03.2024 16:52
INVEST OUTLOOK
1º TRIMESTRE 2024
21.02.2024 12:59
Análise Técnica
Update: S&P500
S&P500 @ 4975.51 - (Fecho de Terça-feira) O S&P500 parou na zona dos 5050 pontos tendo, no entanto, um “target” (tecnicamente ainda válido) acima dos 5100. As exponenciais de curto prazo (10 e 22 dias) têm suportado o preço desde a correcção que acabou no final de Outubro de 2023 (ontem estavam nos 4973 e 4940, respectivamente). Para além destes suportes, identificamos também a zona do último “breakout”, com destaque para os 4920. O “bias” é positivo, desde que o preço não quebre de forma sustentada esta zona. Por outro lado, acumulam-se divergências negativas e o mercado concentra em cada vez menos títulos a sua performance positiva, o que sabemos historicamente poder trazer movimentos de  forte correcção. Juntamos a estes factos um período sazonalmente bastante fraco (até ao fecho de derivados de Março). Numa óptica de “trading”, a exponencial dos 22 dias continua a ser um ponto de entrada interessante para posicionamentos mais agressivos, mas alertamos que a quebra dessa referência acabaria com o padrão iniciado em Novembro. Análise anterior: S&P500 @ 4924.97  31-01-2024 Consulte aqui   Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
15.02.2024 14:35
Análise Técnica
Update: EUROSTOXX50
Eurostoxx50 @ 4744 O índice Eurostoxx não só atingiu como ultrapassou claramente a zona dos 4630, tendo agora uma projecção técnica na zona dos 4800. Esse é o cenário para o curto prazo, desde que aguente o intervalo destacado a laranja no gráfico (4645/90). São também evidentes algumas divergências de “momentum” neste movimento, pelo que desde já abordamos duas possíveis correcções se essa zona for quebrada. Análise Anterior: Eurostoxx50 @ 4520 04.01.2024 Consulte aqui   Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
31.01.2024 12:24
Análise Técnica
Update: S&P500
S&P500 @ 4924.97 (Fecho de Terça-feira) Desde que o índice recuperou o fecho de 2023 (4770) temos assistido a um movimento de sentido único, com um pequeno recuo/teste às exponenciais de curto prazo em meados de Dezembro. Esta semana ganha importância acrescida, com a primeira reunião da FED de 2024 e com o divulgar dos resultados de várias “big-caps” tecnológicas. A reacção aos números de ontem (MSFT, GOOG e AMD como destaques) coloca novamente o índice em cima de suportes de curto prazo. Numa óptica de “trading”, o cenário “bullish”, válido acima dos 4900, aponta para um “target” acima dos 5100, por outro lado, a quebra da zona dos 4770/800 seria um sinal bastante negativo. Suporte intermédio no intervalo definido pelas exponenciais de curto prazo (4816/53). Análise anterior: S&P500 @ 4781.58  11-01-2024 Consulte aqui   Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
25.01.2024 15:39
Healthcare: uma visão mais optimista para 2024
Porquê investir?
SAIBA COMO INVESTIR Healthcare: uma visão mais optimista para 2024 Traduzido para cuidados de saúde, healthcare refere-se à actividade de prestação de serviços médicos, onde se incluem os esforços feitos por parte de profissionais formados e organizações para manter, restaurar ou promover o bem-estar físico, mental ou emocional de alguém. A Organização Mundial de Saúde (OMS) define como um sistema de saúde e de cuidados de saúde como um sistema constituído por todas as organizações, pessoas e acções cuja principal intenção é promover, restaurar ou manter a saúde. Isto inclui esforços para influenciar determinantes mais amplos da saúde, bem como actividades mais directas na melhoria de saúde. Um sistema de saúde é, por conseguinte, mais do que uma simples pirâmide de instalações de propriedade pública que prestam serviços pessoais de saúde. Healthcare tem por base dar resposta às necessidades gerais de saúde que englobam uma vasta gama de factores: a prevenção de doenças, o diagnóstico, o tratamento e a educação para a saúde. A saúde pública, uma componente vital dos cuidados de saúde, centra-se na prevenção de problemas de saúde, no prolongamento da vida e na promoção do bem-estar de toda a população. Contribui também para a melhoria da saúde, ao abordar as desigualdades em matéria de saúde, ao abordar os determinantes sociais da saúde e ao centrar-se na prevenção. Cuidados de saúde de elevada qualidade são cruciais para prevenir doenças e melhorar a qualidade de vida. Finalmente e não menos importante, healthcare é considerado um direito basilar da Humanidade e desempenha um papel de destaque na garantia de que os indivíduos tenham a oportunidade de manter uma boa saúde e bem-estar. Porque é que o conceito healthcare se tornou um tema tão indiscutível e fundamental? Em primeiro lugar, temos observado um notório aumento na esperança média de vida (EMV) mundial até aos dias de hoje. Na Europa, a esperança média de vida aumentou dos 62,8 anos em 1950 para 73,5 anos em 2000 com a expectativa de atingir os 83,8 anos em 2050, de acordo com as Nações Unidas. O destaque é a evolução na Ásia, com um aumento de quase 61% na EMV entre 1950 e 2000. No ano de 2050, os Estados Unidos liderarão com uma esperança média de vida de 84 anos (Figura 1). Figura 1 – Esperança média de vida para ambos os sexos em 1950, 2000 e estimativa para 2050, por região Fonte: Nações Unidas, Statista Outro factor que ajuda a explicar a crescente importância do healthcare é o crescimento da população mundial. Porém, a sua relação é complexa e multifacetada. Naturalmente, à medida que a população cresce, a procura de produtos e serviços de saúde também aumenta, o que poderá levar a complicações na prestação de cuidados adequados a todos os indivíduos. De acordo com as Nações Unidas, foi atingido o marco dos 8.000 milhões de pessoas em 2022 e espera-se que seja atingida a meta dos 10.000 milhões no ano de 2055. É esperado que a taxa de crescimento populacional mundial passe a negativa em 2088 (Figura 2). Figura 2 – Evolução e taxa de crescimento anual da população mundial, desde 1950, com estimativas até ao ano de 2100 Fonte: Nações Unidas, Statista No contexto de constante evolução do sector, vários subsectores desempenham um papel fundamental na sua definição que contribuem, cada uma delas, para o funcionamento sustentável deste ecossistema:    1. Pharma ou Biotech - engloba as empresas que se dedicam à produção de medicamentos, vacinas e outros produtos biotecnológicos;    2. Health Tech - empresas de tecnologia da saúde que se concentram no desenvolvimento de ferramentas de information technology (IT) e software, concebidos para melhorar as operações hospitalares e fornecer novos conhecimentos sobre medicamentos e tratamentos, entre outros;    3. Dispositivos médicos - inclui empresas que fabricam equipamentos e dispositivos médicos, desde material básico a maquinaria avançada;    4. Prestadores de serviços - possuem e operam instalações de cuidados de saúde, incluindo hospitais, centros de reabilitação e lares de idosos (entre outros);    5. Remunerador - inclui empresas de seguros de saúde ou entidades governamentais que processam a elegibilidade, a inscrição e os reembolsos dos doentes;    6. Consultoria - fornecem conhecimentos especializados e aconselhamento a várias organizações e empresas;    7. Health Finance - concentra actividades financeiras específicas do sector, tais como estruturação de capital, decisões de investimento e banca de investimento na área da saúde (por exemplo);    8. Inovação e Empreendedorismo - promoção da inovação e do espírito empresarial. São vários os factores que influenciam a despesa em healthcare. Naturalmente, um dos principais é o nível de rendimento. Em teoria, quanto maior for o rendimento per capita, maior será a despesa com a saúde e os países com um PIB elevado tendem a ter despesas de saúde mais elevadas e melhores resultados no domínio da saúde. Outros factores incluem a taxa de crescimento das despesas em healthcare, o consumo de serviços de saúde e bens médicos, concentração das despesas de saúde e características individuais (i.e. biologia, genética e prevalência de doenças). Por conseguinte, a despesa mundial com healthcare tem vindo a aumentar. Em 2022 a despesa total de saúde atingiu os 9,2% PIB para a média dos países da OCDE com os Estados Unidos perto de um rácio de 17% (Figura 3), registando uma variação de cerca de +105% face a 1980. Entre este ano e 2021, a média dos países da OCDE gastou 9,6% em proporção do seu PIB (Figura 4). Figura 3 – (Cima) Despesa global com healthcare em proporção do PIB em 2022; (Baixo) Despesa global per capita, em USD, com healthcare em 2022 Fonte: OECD Health Statistics, WHO Global Health Figura 4 – Evolução, entre 1980 e 2021, da despesa global com healthcare em proporção do PIB Fonte: OECD Health Statistics Através da Figura 4 conseguimos depreender um significativo aumento na despesa com healthcare entre 2019 e 2020, resultante da pandemia de COVID-19. De acordo com a OMS, em 2020, os governos aumentaram significativamente as suas despesas com a saúde, em todos os níveis de rendimento da sociedade, em resposta à pandemia. O impacto do vírus provocou uma procura sem precedentes nos sistemas de saúde, que requereu um financiamento público substancial e rápidas medidas de resposta. No ano seguinte verificou-se a expectável normalização. Os Estados Unidos destacam-se como o país do mundo que mais gasta em healthcare. Do total gasto per capita em 2022 de cerca de 12.555 dólares, a OCDE estima que 85% é despendido pelo governo americano com os restantes 15% alocados ao agregado familiar (Figura 5). Numa perspectiva total da população americana, estes 12.555 dólares representam cerca de 4,3 triliões de dólares, com 3,6 triliões atribuídos ao gasto governamental. De acordo com a revista médica Lancet, até ao ano de 2040, espera-se que o gasto per capita aumente 63% para um total de cerca de 6,9 triliões de dólares. Os maiores aumentos deverão acontecer na China e na India, seguidos do Bangladesh (Figura 6). Figura 5 – Decomposição da despesa global com healthcare, em USD, em 2022 Fonte: OECD Health Statistics Legenda: "Government" - Governamental; "Voluntary" - Agregado familiar Figura 6 – Decomposição da despesa global com healthcare, em USD, em 2014 versus estimativas para 2040 Fonte: The Lancet, The Economist Legenda: "Government" - Governamental; "Pre-paid private" - Privado pré-pago; "Out-of-pocket" - Agregado familiar; "Development assistance" - Ajuda ao desenvolvimento O que esperar do sector healthcare para 2024? Na sequência do recente desempenho aquém das expectativas em 2023 (Figura 7), de acordo com as gestoras de activos Janus Henderson e Blackrock, este sector entra no novo ano com um Outlook muito atractivo. Durante grande parte do ano de 2023, o sector da saúde teve de suportar a ressaca da pandemia de COVID-19, visto que algumas empresas viram as suas receitas diminuir drasticamente após o fim do período de emergência na saúde pública. Por exemplo, a procura de diagnósticos e de materiais utilizados para fabricar vacinas diminuiu, resultando no excesso de inventário. Em 2023, algumas empresas preveem que as receitas relacionadas com soluções contra o COVID cairão em cerca de 80%. Tal desaceleração já era esperada. Muitas destas empresas ajustaram as suas estruturas de custos, o que deverá apoiar a expansão da margem de lucro este ano. Figura 7 – Retornos do MSCI World Index no ano de 2023, em USD, e respectivos sectores Fonte: Banco Invest, Bloomberg Um desempenho aquém do esperado em 2023 pelo sector healthcare fez baixar as avaliações, não só destas empresas, como das de materiais, dispositivos e medicare. Para este último, nos Estados Unidos, a nova regulamentação reduziu as taxas de reembolso no Medicare Advantage (i.e. a versão privada do plano de saúde federal para os idosos) e reduziu as inscrições no Medicaid (i.e. que fornece cobertura de saúde para famílias com baixos rendimentos). O aumento dos custos de utilização constituiu outro desafio, tendo em conta que as pessoas voltaram a recorrer aos seus seguros de forma a “pôr em dia” os cuidados médicos de rotina. A Reserva Federal prevê, pelo menos, três cortes de 25bp na taxa de juro directora para 2024 e, com o fim do ciclo de aumento das taxas de juro da FED, poderá emergir uma vantagem para o sector, mesmo num cenário de abrandamento económico (softlanding) ou possível recessão mais severa. De facto, o sector healthcare, historicamente em períodos semelhantes (Figura 8), em média, obteve retornos superiores ao índice MSCI World fruto da resiliência dos resultados das empresas. Figura 8 – Variação relativa dos earnings em healthcare durante os períodos recessivos entre 1980 e 2020 Fonte: Blackrock, Refinitiv Concluindo, a combinação das dinâmicas demográficas, a médio prazo, com a resiliência dos resultados destas empresas em períodos de maior incerteza macroeconómica, no curto prazo, faz com que o sector healthcare esteja muito bem posicionado para o ano de 2024. Adicionalmente, a prazo, o crescimento de resultados deverá ser potenciado por avanços médicos e tecnológicos, novos tratamentos e terapia e pela adopção da inteligência artificial pelas empesas do sector. Redigido por: Gonçalo Ormonde Banco Invest 2024 SAIBA COMO INVESTIR
24.01.2024 12:00
Análise Técnica
Update: EUROSTOXX50
Eurostoxx50 @ 4520 A correcção no Eurostoxx50 encontrou suporte, era um dos cenários antecipados, na zona dos 4400. A sessão de hoje, com um forte “gap” de abertura, pode colocar novamente o índice em “bullish mode”. A grande referência para o curto prazo está no intervalo 4500/22 e é esta a zona que definirá o nosso “bias. No sentido ascendente, o próximo patamar está nos 4630, como suportes, os 4400 e em seguida os 4364. Análise Anterior: Eurostoxx50 @ 4459 04.01.2024 Consulte aqui   Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
11.01.2024 11:26
Análise Técnica
Update: S&P500
S&P500 @ 4783.45 (Fecho de Quarta-feira) Hoje saem os dados da inflação nos E.U.A., com o índice numa situação técnica muito clara. A sessão de ontem colocou o S&P500 acima do fecho de 2023 (4770), primeiro sinal positivo desde finais de Dezembro. Esta é a primeira grande referência para a definição do nosso “bias”. Acima temos o máximo de 2021 (resistência) e como suportes, os 4730 e os 4682. Numa óptica de “trading” são estes os pontos de interesse para as próximas sessões. Análise anterior: S&P500 @ 4781.58  O cenário do “breakout” ficou confirmado logo em meados de Novembro mas, para já, o índice ainda não testou a zona dos máximos de sempre acima dos 4800. Estamos a fechar o ano numa situação em tudo semelhante aos finais de 2021. Para o primeiro trimestre de 2024, definimos já duas grandes referências numa óptica de “trading”, o intervalo 4766/818 como resistência e o suporte que defende o “bias” positivo, no intervalo 4545/82.     Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
04.01.2024 11:43
Análise Técnica
Update: EUROSTOXX50
Eurostoxx50 @ 4459 O fecho de derivados na semana da última reunião da FED acabou mesmo por marcar o início de uma consolidação/correcção. O índice está agora a testar a zona dos 4450. Os indicadores sugerem que este movimento se possa estender até a um “retest” ao “breakout” dos 4400. É essa a nossa expectativa, e será nessa zona que teremos um bom ponto de entrada. Se o índice aguentar esse teste, podemos ter novo “rally” até ao intervalo 4600/700. A quebra dos 4400 colocaria o movimento iniciado em Novembro em causa e empurraria o Eurostoxx50 para a zona dos 4200/61. Análise Anterior: Eurostoxx50 @ 4528 19.12.2023 Consulte aqui   Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
02.01.2024 10:36
Lítio, o Ouro Branco da Transição Energética
Porquê investir?
SAIBA COMO INVESTIR Lítio, o Ouro Branco da Transição Energética Apelidado de “ouro branco”, o Lítio é, entre os metais, um dos mais importantes e necessário, tanto nos veículos eléctricos, como nos equipamentos de armazenamento de energia. Numa altura de rápida transição energética, com vista a uma economia global de baixo carbono, prevê-se que a procura aumente exponencialmente, afectando positivamente as empresas envolvidas ao longo de toda a cadeia de valor. O que é o Lítio? O Lítio (Li) é o terceiro elemento mais leve do Universo (Figura 1) que, no seu estado mais puro, assume a forma de um metal prateado macio, que está presente em mais de 145 tipos de minérios. A versatilidade do Lítio ajudou a catapultar muitos desenvolvimentos tecnológicos, em grande parte fruto das propriedades químicas únicas que apresenta. É classificado como um metal alcalino e, quando combinado com água, forma álcalis ou produtos químicos que estabilizam soluções ácidas. Além disso, o Lítio é resistente ao calor e tem pontos de fusão e de ebulição extraordinariamente elevados, que permite armazenar grandes quantidades de energia. É comummente extraído de rochas resistentes (frequentemente na Austrália) ou por evaporação solar em grandes bacias de salmoura (Andes sul-americanos). Este último considerado o método mais simples e barato. Constitui apenas 0,002% da crosta terrestre, com 75% de todo o fornecimento mundial de Lítio proveniente do Chile e da Bolívia. Figura 1 – Símbolo do Lítio na Tabela Periódica Fonte: Thermo Fisher Scientific Inc. Legenda: Número Atómico - 3; Peso Atómico - 6,9395 Desde a sua descoberta, o Lítio tem-se revelado incrivelmente versátil incluindo, por exemplo, o reforço do vidro e a refinação de ligas metálicas mas, provavelmente, a sua utilização mais popular é nas baterias de iões de Lítio (Figura 2). Também denominadas baterias Lithium-ion (iões de Lítio), estas são um tipo de bateria recarregável que utiliza compostos de Lítio como um dos eléctrodos. A primeira bateria comercial foi desenvolvida por uma equipa da Sony em 1991 e era constituída por um eléctrodo negativo, a partir do qual os electrões eram libertados e um eléctrodo positivo, que os recebia. Com a bateria ligada, os iões de Lítio deslocam-se do negativo para o positivo através de um electrólito. Quando a bateria é carregada, os iões de Lítio regressam ao eléctrodo negativo. Figura 2 – Alocação percentual do uso do Lítio Fonte: National Geographic Por sua vez, as baterias são constituídas por uma ou mais células e, consoante a sua utilização final, existem diferentes tipos, tais como (Figura 3):    ○ Células Cilíndricas - comuns nos veículos eléctricos, consistem em folhas de diferentes componentes que são enroladas num cilindro;    ○ Células Planas - frequentemente presentes nos telemóveis e computadores portáteis, utilizam polímero de iões de Lítio sob a forma de folhas empilhadas. Figura 3 – Células Cilíndricas (direita) e Células Planas (esquerda e frente) Fonte: Samsung Electronics Em comparação com a bateria tradicional, as baterias de iões de Lítio carregam mais rapidamente, duram mais tempo e têm uma maior densidade de potência para uma maior duração da bateria numa embalagem substancialmente mais leve. Além disso, estas incorporam outros elementos que melhoram, não só o seu desempenho, como a sua segurança:    1. Sensor de temperatura;    2. Circuito regulador de tensão;    3. Monitor do estado de carga. Em comparação com outro tipo de baterias, como de níquel-hidreto ou níquel-cádmio, as baterias de iões de Lítio carregam em menos tempo e demoram mais tempo a descarregar, possuem maior densidade energética, não têm efeito de memória e dá-se perda mínima de carga em situação de não-utilização. Este tipo de baterias são a escolha padrão nos veículos eléctricos, no armazenamento de energia para a energia solar e para a energia eólica. No dia 13 de Dezembro 2023, na conferência das Nações Unidas COP28 (i.e. 28th Conference of the Parties) no Dubai, mais de 190 governos aprovaram, pela primeira vez, um Acordo que apela ao abandono dos combustíveis fósseis, enviando claros sinais sem precedentes à economia global de que os governos pretendem reduzir o consumo de carvão, petróleo e gás natural na luta contra o aquecimento global. Este Acordo, após duas semanas de negociação, apela a uma "transição para o abandono dos combustíveis fósseis nos sistemas energéticos de uma forma justa, ordenada e equitativa". Neste, é ainda expresso o objectivo de atingir emissões líquidas nulas de gases com efeito de estufa até ao ano de 2050. Neste sentido, as soluções verdes terão um crescimento exponencial nas próximas décadas, no combate ao uso dos combustíveis fosseis. Neste combate à poluição por combustíveis fosseis, os veículos eléctricos são a solução mais popular e com mais expectável crescimento. Os veículos eléctricos representaram 14% das vendas de automóveis em 2022 versus apenas 5% em 2020, levando a um aumento da procura por baterias de iões de Lítio para automóveis em cerca de 65% em 2022. Prevê-se que as vendas globais de veículos eléctricos aumentem dos registados 10,5 milhões em 2022 para quase 27 milhões em 2026 (Figura 4). Se concretizada, esta estimativa significaria um aumento expressivo na quota de mercado na venda de novos veículos eléctricos de passageiros para os 30% versus 14% no ano de 2022. É ainda esperado um crescimento de 530% na produção de veículos eléctricos para 48,5 milhões de unidades em 2030 comparativamente às 7,7 milhões de unidades no final de 2022 (Figura 4). Figura 4 – (Esquerda) Vendas globais de veículos de 2016 a 2022 com projecções para 2026; (Direita) Projecção de produção de veículos eléctricos (VE), por cenário Fonte: BloombergNEF, McKinsey & Co. Legenda: "EV Sales" - Vendas de veículos eléctricos; "Base Scenario" - Cenário base; "Accelerated scenario" - Cenário positivo É nesta estimativa que entra o Lítio como peça fulcral. O anteriormente mencionado aumento da procura de VE fez com que os preços do Lítio disparassem cerca de 550% num ano sendo que, no início de Março de 2022, o preço do carbonato de Lítio tinha ultrapassado os 75 mil dólares por tonelada métrica e os preços do hidróxido de Lítio tinham ultrapassado os 65 mil dólares por tonelada métrica. A McKinsey prevê que a procura de Lítio aumente de aproximadamente 720 mil toneladas métricas de equivalente de carbonato de Lítio (LCE), em 2022, para o intervalo de três a quatro milhões de toneladas métricas em 2030 (Figura 5). Figura 5 – Projecção da procura por Lítio refinado, por cenário Fonte: McKinsey & Co. Legenda: "Base Scenario" - Cenário base; "High Case" - Cenário superior; "Low case" - Cenário inferior Com esta crescente procura, deverá o Mundo preocupar-se com o futuro fornecimento de Lítio? Em 2020, foram produzidos pouco mais de 0,4 milhões de toneladas métricas de LCE e, em 2021, deu-se um aumento na produção em cerca de 32% para mais de 0,5 milhões de toneladas métricas. Desde países produtores de Lítio bem estabelecidos, como a Austrália, o Chile, a China e a Argentina, a países com recursos e reservas recentemente cartografados, como o México, o Canadá, a Bolívia, os Estados Unidos e a Ucrânia, a locais normalmente não associados ao Lítio, como a Sibéria, a Tailândia, o Reino Unido e o Peru, a exploração de depósitos convencionais de "ouro branco" está a decorrer a nível mundial (Figura 6). Actualmente, quase toda a extracção de Lítio ocorre na Austrália, na América Latina e na China. Uma série de projectos já anunciados irá provavelmente introduzir novos intervenientes e regiões geográficas no mapa da extracção de Lítio, incluindo a Europa Ocidental e Oriental, a Rússia e outros membros da Comunidade de Estados Independentes (CEI). Essa base de capacidade relatada deve ser suficiente para que a oferta cresça a uma taxa anual de 20% e atinja mais de 2,7 milhões de toneladas métricas de LCE até 2030 (Figura 6). Figura 6 – (Cima) Top-10 países com as maiores reservas confirmadas de Lítio; (Baixo) Produção mundial de Lítio, por fonte, entre 2015 e 2020 com projecções de 2025 a 2030 Fonte: US Geological Survey, MineSpans, McKinsey & Co. Embora a procura e a oferta previstas indiquem um equilíbrio no sector a curto prazo, existe uma necessidade potencial de galvanizar novas capacidades até 2030. Prevê-se que as fontes adicionais de Lítio necessárias para colmatar o défice de fornecimento provenham de projectos de minerais e salmouras convencionais em fase inicial, de recursos ainda desconhecidos e de salmouras não convencionais, como as salmouras geotérmicas ou de campos petrolíferos. Entretanto, prevê-se que as novas tecnologias, como extracção directa de Lítio (DLE) e Lítio direto para produto (DLP) aumentem a recuperação e a capacidade. Além disso, o uso de minério de embarque direto (DSO) pode ajudar a mitigar o risco de escassez de oferta a curto prazo. O gap da oferta e procura de Lítio espera-se que venha a ser colmatado na segunda metade da década (Figura 7). Figura 7 – Oferta e Procura mundiais de Lítio, em quilotoneladas de equivalente de carbonato de Lítio (LCE) Fonte: MineSpans, McKinsey & Co. Do ponto de vista das empresas, a McKinsey e a Bloomberg preveem um aumento de cinco vezes nas receitas, ao longo de toda a cadeia de valor, de cerca de 85 mil milhões de dólares em 2022 para mais de 400 mil milhões de dólares em 2030 (Figura 8). A China terá alocação de receitas de quase metade deste montante. Os materiais activos e o fabrico de células deverão ter os maiores contributos nas receitas, de uma forma geral, seguidos das receitas alocadas ao embalamento. Figura 8 – Receitas ao longo da cadeia de valor, em mil milhões de dólares, em 2022 versus 2030 decomposto Fonte: McKinsey & Co. Legenda: "Mining" – exploração mineira; "Refining" – refinação; "Active materials" – materias activos; "Cell" – célula; "Pack" – embalagem; "Reuse and recycle" – reutilizar e reciclar Tendo tudo isto em conta, o papel crucial neste crescimento deriva e irá derivar dos esforços governamentais e regulamentares com vista a uma transição energética mais rápida, eficiente e duradoura. De facto, a China poderá ser responsável por entre 40% e 45% da procura total de baterias de iões de Lítio em 2025 e 2030, respectivamente. No entanto, espera-se que o crescimento seja mais expressivo na UE e nos Estados Unidos, impulsionado pelas recentes alterações regulamentares e incentivos, feitos através da inclusão de novos objectivos verdes e directrizes de emissões líquidas nulas (alguns exemplos em vigor):    ○ Programa europeu Fit for 55;    ○ Lei de Redução da Inflação dos EUA;    ○ A proibição em 2035 dos veículos com motor de combustão interna (ICE) na União Europeia (UE);    ○ Regime indiano de adoção e fabrico mais rápidos de veículos híbridos e eléctricos. Há várias perguntas que se colocam e que intrigam muitos investidores e investigadores: Será o Lítio o novo Ouro? Qual o real valor do Lítio, um elemento conhecido há cerca de 200 anos, cuja importância está agora a aumentar exponencialmente, tendo em conta as promessas que traz, não só para os veículos eléctricos como para o armazenamento de energia? Redigido por: Gonçalo Ormonde Invest Gestão de Activos 2024 SAIBA COMO INVESTIR
28.12.2023 09:55
Análise Técnica
Update: S&P500
S&P500 @ 4781.58 O cenário do “breakout” ficou confirmado logo em meados de Novembro mas, para já, o índice ainda não testou a zona dos máximos de sempre acima dos 4800. Estamos a fechar o ano numa situação em tudo semelhante aos finais de 2021. Para o primeiro trimestre de 2024, definimos já duas grandes referências numa óptica de “trading”, o intervalo 4766/818 como resistência e o suporte que defende o “bias” positivo, no intervalo 4545/82.     Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
19.12.2023 09:25
Análise Técnica
Update: EUROSTOXX50
Eurostoxx50 @ 4528 O índice continuou a estender o movimento de alta e apenas esta última semana mostra sinais de consolidação. Como zonas de suporte/compra, temos as exponenciais de curto prazo, a dos 10 dias nos 4493, depois a dos 22 dias nos 4450. Só a quebra destas duas referências sugeriria uma correcção e uma oportunidade de compra. A confirmar-se o recuo, temos o “retest” ao intervalo 4248/4348 como a grande referência para uma entrada. Análise Anterior: Eurostoxx50 @ 4309 16.11.2023 Consulte aqui   Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
16.11.2023 14:27
Análise Técnica
Update: EUROSTOXX50
Eurostoxx50 @ 4309 O índice não só “estendeu sem dificuldade” o movimento até ao intervalo 4200/35, como quebrou essa zona de forma clara na passada terça-feira, após os dados da inflacção na economia Norte-americana. Estamos novamente dentro do intervalo de negociação da primeira metade do ano. Numa óptica de “trading”, será o próximo recuo que confirmará ou não a força deste movimento, pelo que será fundamental um teste com sucesso ao “breakout” feito na terça-feira.   Se esse teste tiver sucesso, teremos uma clara oportunidade de entrada com objectivo nos 4400. É então expectável um recuo nas próximas sessões, o que traria o alívio dos indicadores que utilizamos, neste momento em clara zona de exaustão. É sobejamente conhecida a força que os activos de risco têm nesta altura do ano e será esse o cenário mais forte se se confirmar a sustentação acima da anterior resistência, agora suporte. Análise Anterior: Eurostoxx50 @ 4158 02.11.2023 Consulte aqui   Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
16.11.2023 11:14
Fintech
Porquê investir?
SAIBA COMO INVESTIR Fintech Se alguma vez pagou com o telemóvel, transferiu dinheiro através de uma app ou verificou a sua conta bancária online, então já faz parte de uma indústria que terá um valor de mercado de cerca 1,5 biliões de dólares em 2030, segundo projecções da Consultora BCG1. Fintech ou "financial technology" é o termo usado para descrever as actividades financeiras suportadas por tecnologia inovadora, com o objectivo de melhorar a conveniência e tornar mais eficiente a oferta e o uso de serviços financeiros. A indústria fintech engloba agora qualquer inovação tecnológica do sector financeiro, incluindo avanços em literacia financeira, consultoria e educação, bem como na simplificação da gestão de carteiras de investimentos, empréstimos, banca de retalho, crowfunding, transferências/pagamentos e muito mais. Fintech inclui também o desenvolvimento e uso de criptomoedas, bem como de outras áreas que alavancam o uso da tecnologia de blockchain, inteligência artificial ou automação de processos robóticos. Algumas das áreas mais faladas da inovação fintech incluem ou giram em torno das seguintes áreas: • Criptomoedas e dinheiro digital; • Smart Contracts, que utilizam programas de computador (muitas vezes utilizando a blockchain) para executar contractos automaticamente entre compradores e vendedores; • Insurtech, que procura simplificar e agilizar o sector dos seguros; • Regtech, que ajuda as empresas de serviços financeiros a cumprir as regras de conformidade do sector, especialmente aquelas que cobrem os protocolos anti-lavagem de dinheiro e de conhecimento do cliente, que combatem a fraude; • Robo-advisors, que utilizam algoritmos para automatizar o aconselhamento de investimento para reduzir o seu custo e aumentar a acessibilidade; • Unbanked/Underbanked, serviços que têm tido um grande crescimento nos países em desenvolvimento, onde uma grande parte da população não tem uma conta bancária ou não consegue ter acesso aos mercados financeiros tradicionais; • Cibersegurança, dada a proliferação do cibercrime e o armazenamento descentralizado de dados, cibersegurança e fintech estão interligados. Principais empresas e startups de fintech Fonte: Venture Scanner Fintech nos dias de hoje A recente era de crescimento foi liderada por empresas que se focaram em facilitar os pagamentos e as transacções bancárias. A Pandemia serviu de catalisador para a adopção generalizada nestes segmentos e empresas como a Stripe, Square, Alipay e muitas outras foram capazes de capitalizar esta oportunidade. Algumas empresas como a PayPal nos EUA, a PayTM na Índia e o Nubank no Brasil tornaram-se nomes conhecidos entre os consumidores. Segundo a BCG, este segmento representou 40% das vendas da indústria em 2021 e projecta-se que continue a ser o maior segmento em 2030. Um dos segmentos que mais capta a atenção dos media, pela sua natureza disruptiva e especulativa, é o sector das criptomoedas e das tecnologias adjacentes. Em 2021 e 2022, cerca de 50 mil milhões de investimento foi direccionado para este segmento, representando 75% do financiamento recebido desde então. Este segmento recebeu muita publicidade negativa devido ao colapso de empresas envolvidas em fraude, como a plataforma de trading FTX, a criptomoeda Terra e a plataforma de empréstimos Celsius. No entanto, a recente onde de crises bancárias (ex SVB e Credit Suisse) e fraudes, no segmento de pagamentos, têm aumentado a necessidade de regulação e o escrutínio dos reguladores que, até agora, tem sido considerado leve, fragmentado e, em certos casos, lentos para os rápidos avanços que a indústria tem registado. 2022 - o ano em que se voltou à Terra Apoiado pelo frenesim dos mercados após a Pandemia, as avaliações da indústria fintech chegaram a um valor inflaccionado de 20x das vendas no 2T 2021. No entanto, o aumento das taxas de juro e o fim do financiamento barato, levaram as avaliações das empresas, no 4T 2022, a caírem para 4x as vendas e os seus CEOs a priorizarem um crescimento rentável (figura 1). Figura 1 – Q2 2017 – Q4 2022, média de múltiplos para empresas fintech públicas (média simples, Market Cap/LTM Revenues) Os desafios com que as fintech se depararam recentemente podem muito bem representar uma correcção de curto prazo, visto que os fundamentais de crescimento ainda se mantêm. Fundamentais da fintech Em termos de lucros, o sector financeiro continua a oferecer, em média, as melhores margens comparado com os restantes sectores (figura 2). O uso de tecnologia e automatização terá a possibilidade de alargar ainda mais estas margens. Figura 2. Margem líquida (%) por Indústria, Global Outro factor importante é o nível de satisfação dos clientes na indústria financeira (incluindo o sector das seguradoras), que tem sido historicamente das mais baixas, comparando com outras indústrias (figura 3). Apesar de os bancos e as empresas incumbentes terem feito progressos nos últimos anos, estes ainda estão significativamente abaixo dos níveis da indústria fintech. Figura 3. Experiência do consumidor Tendo em conta que existem 1,5 mil milhões de pessoas sem acesso aos serviços tradicionais de instituições financeiras e 2,8 mil milhões de pessoas que, apesar de terem uma conta bancária, não conseguem ter acesso a empréstimos ou cartões de crédito, ainda existe bastante espaço para a indústria fintech crescer. Ademais, 44% dos adultos no mundo ainda dependem fortemente de dinheiro vivo para a maior parte das transacções, enquanto 89% já usam telemóveis ou smartphones (figura 4). Figura 4. % de adultos nas diferentes regiões que estão unbanked e underbanked Fintech e Nova Tecnologia Apesar de ainda haver um amplo espaço para crescer no segmento dos pagamentos, especificamente na área de pagamentos internacionais, pagamentos em tempo real e no serviço payment-plus (uma forma segura e automática de pagamento a fornecedores que reduz o processamento interno e os custos de transacção), existem outros segmentos que poderão sustentar a próxima fase de crescimento, entre os quais: • Embeded Finance. Este segmento poderá revolucionar a maneira como as empresas agilizam os processos financeiros, como o processamento de pagamentos, os empréstimos e os seguros. Alguns exemplos de iniciativas nesta área são:    ○ Empresas como a Uber ou Lyft, que abdicam da necessidade de pagar no local, visto que o pagamento é processado pela aplicação;    ○ A parceria entre a Apple e a Goldman Sachs, para criar uma conta poupança e um cartão de crédito;    ○ O seguro automóvel da Tesla, que deixa que os clientes escolham a cobertura mais apropriada quase instantaneamente e por um preço menor do que o de uma seguradora tradicional. • Infraestrutura financeira como serviço. Empresas que consigam fornecer a infraestrutura tecnológica necessária para optimizar processos, como levar um produto da ideia ao consumidor, cibersegurança, aquisição de clientes, gestão de risco e muitos mais, irão tornar-se mais proeminentes. • Reinvenção das cadeias de valor. Empresas de tecnologia hipotecária ilustram este conceito de forma clara. Estas empresas têm como objectivo diminuir os elevados custos de empréstimo e a duração do processo, que é um problema comum aos actuais fornecedores tradicionais de empréstimo. Além disso, as empresas que abordam questões como a acessibilidade da habitação e os riscos climáticos encontrarão oportunidades significativas na próxima década. PORQUÊ INVESTIR EM FINTECH? As tendências que têm vindo a revolucionar o mundo tecnológico, como a digitalização e a inteligência artificial, estão aos poucos a transformar a forma como lidamos com o dinheiro e como os agentes económicos se relacionam com as instituições financeiras. Diversas áreas que tradicionalmente pertenciam aos bancos e seguradoras estão agora a ser disputadas por empresas tecnológicas, que prometem agilizar os processos e oferecer uma experiência melhorada aos seus clientes.   A vaga mais recente da Fintech revolucionou os pagamentos electrónicos e mostrou o impacto que a Fintech pode ter nas nossas vidas. Porém, após ter atingido o valor máximo de valorização em 2021, o sector sofreu uma desvalorização com o aumento das taxas de juro. Isto levou o sector a priorizar a rentabilidade e a tornar as suas operações mais robustas, de forma a aguentar o período de taxas de juro altas que se antecipa.   Hoje, com a estabilização das valorizações em bolsa e com os rápidos desenvolvimentos nas áreas da inteligência artificial, o sector tem ganho atratividade e poderá ser um outperformer nos próximos anos. Redigido por: Henrique Oliveira Invest Gestão de Activos 2023 SAIBA COMO INVESTIR
02.11.2023 11:27
Análise Técnica
Update: S&P500
S&P500 @ 4237.86 (fecho de quarta-feira)   O índice atingiu no final da semana a projecção do “Head & Shoulders” que temos vindo a acompanhar desde a formação do 2º ombro nos 4500. Atingimos também a retracção esperada nos 4114. O fecho do mês trouxe, como é habitual desde Junho, uma boa reacção do preço em alta.  A sessão de ontem, a reconquistar os mínimos de início de Outubro, é em tudo semelhante ao movimento  marcou o último “swing” de alta/ponto de venda. A sazonalidade continua a ser a narrativa vigente, mas de qualquer forma não a iremos descartar para já. Para a confirmação desta possibilidade, é fundamental que o S&P 500 invalide a direcção clara desde Julho, sustentando pelo menos acima de todas as médias móveis que utilizamos, recordando que a dos 50 dias, juntamente com a retracção dos 61.8% (que limitou os dois anteriores “swings” de alta nos 4505 e nos 4400), definiu o último máximo relativo no gráfico. Para este movimento, os 61.8% estão nos 4286 e a exponencial dos 50 dias está hoje nos 4316. O preço terá de passar a ter estes níveis como suporte para podermos defender o fim do movimento de baixa (rectângulo destacado a amarelo).   Análise Anterior: S&P500 @  4186.77 (fecho de quarta-feira) 26.10.2023 Consulte aqui   Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
02.11.2023 11:25
Análise Técnica
Update: EUROSTOXX50
Eurostoxx50 @ 4158 O índice conseguiu aguentar a zona dos 4020 e tivemos mais um arranque para o final do mês. A sessão de hoje já trouxe um teste à exponencial dos 50 dias, mas o movimento de alta pode estender-se sem dificuldades até ao intervalo 4200/35. Só a reconquista desta zona pode permitir defender novamente o “range” de negociação da 1ª metade do ano. Não o conseguindo fazer, teremos pelo menos novo teste à zona dos 4020. Análise Anterior: Eurostoxx50 @ 3997 O índice tentou por duas vezes, sem sucesso, reconquistar os 4200, zona do anterior suporte. Conforme esperado, o teste aos 4200 foi uma oportunidade de venda. O preço avançou na direcção da retracção seguinte, os 38.2%, nos 4020. Recordamos que em teoria, a quebra desta referência deverá empurrar o Eurostoxx50 para os 3874. Como referências técnicas para “trading”, temos os 3782, os 4020 e por fim a zona dos 4100. O “bias” é claro abaixo dos 4200.      Análise Anterior: Eurostoxx50 @ 4073  04.10.2023 Consulte aqui   Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
26.10.2023 11:22
Análise Técnica
Update: S&P500
S&P500 @ 4186.77 (fecho de quarta-feira)   O índice prepara nova abertura em “gap down”, tendo já estado a negociar muito próximo do objectivo dado no início de Setembro, quando o S&P500 desenhou o 2º ombro do “Head & Shoulders” que temos vindo a referir. Lembrando que uma projecção não é um suporte, este é de facto o grande destaque para já. Numa óptica de “trading” o “bias” sai reforçado, obviamente, com a quebra dos 4200 (zona que marcou o “bullish breakout” em finais de Maio deste ano). Pelas retracções técnicas de Fibonacci, o próximo objectivo está nos 4114. Será aqui que teremos mais um grande ponto de decisão no índice. No sentido inverso, como zonas de resistência/pontos de venda, o intervalo 4190/4208, em seguida o intervalo 4228/45 e por fim os 4302. A exponencial dos 200 dias está nos 4270. O padrão é claro, mas começa a ser uma forte possibilidade uma nova recuperação técnica nas próximas sessões (recordamos mais uma vez o padrão que se tem repetido no final do mês, principalmente desde Junho). Continuaremos a ver estes movimentos como oportunidades de venda. Para o índice encontrar um fundo, como é hábito nestes padrões de queda, precisamos de sinais mais claros de uma capitulação, que podemos identificar em vários indicadores que iremos monitorizar detalhadamente nas próximas sessões/semanas.        Análise Anterior: S&P500 @ 4373.63 (fecho de segunda-feira) 17.10.2023 Consulte aqui   Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
23.10.2023 11:05
Análise Técnica
Update: EUROSTOXX50
Eurostoxx50 @ 3997   O índice tentou por duas vezes, sem sucesso, reconquistar os 4200, zona do anterior suporte. Conforme esperado, o teste aos 4200 foi uma oportunidade de venda. O preço avançou na direcção da retracção seguinte, os 38.2%, nos 4020. Recordamos que em teoria, a quebra desta referência deverá empurrar o Eurostoxx50 para os 3874. Como referências técnicas para “trading”, temos os 3782, os 4020 e por fim a zona dos 4100. O “bias” é claro abaixo dos 4200.      Análise Anterior: Eurostoxx50 @ 4073  04.10.2023 Consulte aqui   Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
17.10.2023 14:27
Análise Técnica
Update: S&P500
S&P500 @ 4373.63 (fecho de segunda-feira)   O índice, incapaz de sustentar acima dos 4302, acabou mesmo por estender a correcção até à zona dos 4208. Estamos a assistir a novo movimento de alta, que até agora, parou na zona das exponenciais, sem um teste à “neckline” quebrada em Setembro. Numa óptica de “trading” continuamos a olhar para a projecção do “Head & Shoulders” (a laranja no gráfico), na zona dos 4100 e continuamos a ver as recuperações como oportunidades de venda.   A reconquista da “neckline” e dos 4450 deita por terra esta ideia e colocará em cima da mesa, com estrondo, a sazonalidade. As estatísticas para este período são ainda mais fortes em anos que precedem eleições nos Estados Unidos. Temos mantido esta possibilidade aberta, mas precisamos que o preço a confirme. Precisamos que o S&P500 sustente acima dos 4450.   Até que o preço nos mostre o caminho, como níveis a monitorizar no curto prazo numa óptica de “trading”: os mínimos de Agosto (4370/6 – valores de fecho diário) e o intervalo 4396/4420 como resistências e os 4325 e os 4270 como suportes.   Análise Anterior: S&P500 @ 4273.53 (fecho de terça-feira) 27.09.2023 Consulte aqui.       Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
16.10.2023 16:30
Segurança Alimentar e Nutrição
Porquê investir?
SAIBA COMO INVESTIR Segurança Alimentar e Nutrição Acabar com a fome e a subnutrição é um dos maiores e mais antigos desafios da humanidade. Fazemos três refeições completas por dia? Nem toda a gente o consegue fazer, apesar de ser um direito basilar do ser humano. A segurança alimentar foi definida em 1974, na Cimeira Mundial da Alimentação (i.e. World Food Summit), como “a disponibilidade, em qualquer momento, de oferta mundial adequada de géneros alimentícios de base para sustentar uma expansão constante do consumo alimentar e compensar as flutuações da produção e preços”. Posteriormente em 1996, a mesma Cimeira define segurança alimentar como “quando todas as pessoas, em qualquer momento, têm acesso físico e económico a uma quantidade suficiente de alimentos seguros e nutritivos que satisfaçam as suas necessidades dietéticas e preferências alimentares para uma vida activa e saudável”. De acordo com a Food and Agriculture Organization (FAO), a segurança alimentar abrange quatro dimensões: • DISPONIBILIDADE – a disponibilidade de alimentos diz respeito à oferta e é determinada pelo nível de produção, pelos níveis de stock e pelo comércio líquido; • ACESSO - uma oferta adequada de alimentos, quer a nível nacional ou internacional, não garante por si só segurança alimentar na globalidade dos agregados familiares. A preocupação com o acesso insuficiente aos alimentos deu origem a uma maior preocupação com as políticas nos rendimentos, nas despesas, nos mercados e nos preços; • UTILIZAÇÃO - a ingestão suficiente de energia e nutrientes pelos indivíduos é o resultado de boas práticas de cuidados e práticas alimentares, da preparação dos alimentos, uma dieta diversificada e uma distribuição adequada dos alimentos no seio do agregado familiar em combinação com uma boa utilização biológica dos alimentos; • ESTABILIDADE - estabilidade das três dimensões anteriormente mencionadas. Mesmo que a ingestão de alimentos seja adequada, existe insegurança alimentar se o acesso a alimentos, numa base periódica, for inadequado. Condições meteorológicas adversas, instabilidade política ou factores económicos, são alguns exemplos que poderão trazer significativo impacto na segurança alimentar. O nível global da prevalência de subnutrição (PoU), que pode ser definido como a percentagem da população cujo consumo alimentar habitual é insuficiente para fornecer os níveis de energia dietética necessários para manter uma vida normal, activa e saudável, entre 2000 e 2010, registou uma considerável queda até 2014 porém, sofreu um aumento significativo entre 2019 e 2021 sob a sombra da Pandemia da COVID-19. No ano de 2022, cerca de 9,2% da população mundial passou fome, um valor superior aos 7,9% pré-pandémicos de 2019. Cerca de 735 milhões de pessoas passaram fome em 2022, um acréscimo de 122 milhões face ao ano de 2019. A situação é mais alarmante em África, onde o PoU é o mais elevado entre todas as regiões, com cerca de 19,7% (282 milhões de pessoas) da população da região subnutrida. Na América Latina e Caraíbas, passou de 7,0% em 2021 para 6,5% (43 milhões de pessoas) em 2022 e na Ásia com uma queda de 0,3 pontos percentuais para os 8,5% (402 milhões de pessoas). Na Oceânia, uma subida de 0,4 pontos percentuais para os 7,0% (3 milhões de pessoas) em 2022 (Figura 1 e Figura 2). Figura 1 – Divisão de milhões de pessoas, por região, que passam fome no ano de 2022 Fonte: Food and Agriculture Organization (FAO) Figura 2 – Prevalência de subnutrição por região entre 2005 e 2022 Fonte: Food and Agriculture Organization (FAO), Banco Invest O mundo ainda se encontra em recuperação da crise pandémica, com a actual agravante das consequências da Guerra na Ucrânia. O impacto da Pandemia provocou uma recessão económica mundial, que pôs fim a três décadas de progresso global na redução da pobreza. O final do ano de 2021 foi marcado pela reabertura da generalidade das economias mundiais porém, os países de rendimento baixo e médio-baixo registaram um ritmo de recuperação mais lento. Em Fevereiro de 2022, numa altura em que o peso da Pandemia começava a diminuir, eclodiu a Guerra na Ucrânia, que envolveu dois grandes produtores mundiais de produtos agrícolas, provocando ondas de choque nos mercados de produtos de base e de energia, enfraquecendo a recuperação de 10 anos e aumentando ainda mais a incerteza quanto à segurança alimentar mundial. De facto, nos últimos 30 anos, a região do Mar Negro emergiu como um importante fornecedor mundial de cereais e oleaginosas. Actualmente, as exportações da Rússia e da Ucrânia representam cerca de 12% do total de calorias comercializadas no Mundo e os dois países encontram-se entre os cinco principais exportadores mundiais de importantes cereais e oleaginosas tais como o trigo, a cevada, o girassol e o milho (Figura 3). O Norte de África e o Médio Oriente, por exemplo, importam mais de 50% das suas necessidades alimentares destes dois países. Figura 3 – Quota de produção da Ucrânia e da Rússia no comércio mundial, em 2020, de oleaginosas Fonte: COMTRADE, International Food Policy Research Institute (IFPRI). Legenda: Barley – Cevada; Maize – Milho; Sunflower – Girassol; Sunflower Oil – Óleo de Girassol; Wheat – Trigo A FAO prevê que cerca de 600 milhões de pessoas venham a sofrer de insegurança alimentar em 2030, cerca de 119 milhões de pessoas a mais do que num cenário em que, nem a Pandemia, nem a Guerra na Ucrânia teriam acontecido e cerca de 23 milhões adicionais em comparação com um cenário em que a Guerra na Ucrânia não tenha ocorrido. Contudo, prevêem-se enormes progressos na Ásia até ao ano de 2030, com menos 87 milhões de pessoas em situação de insegurança alimentar face a 2025 e 160 milhões de pessoas face a 2022. Regiões como África, América Latina e Caraíbas não são esperadas registarem progressos significativos (Figura 4). Figura 4 – Projecções, a nível mundial e por regiões, até 2030, por milhão de indivíduos em situação de insegurança alimentar Fonte: Food and Agriculture Organization (FAO) Porquê investir na Segurança Alimentar e Nutrição? As Nações Unidas (NU) preveem que até 2050 teremos de ter uma produção 60% superior à actual, por forma a alimentar uma população mundial total estimada em 9,3 mil milhões de pessoas. Tal não será possível apenas pela abordagem tradicional na Agricultura sendo que esta, actualmente, fá-lo com o uso insustentável de recursos naturais. É crucial que se embarque numa notória revolução mais verde e ecológica. Actualmente, a forma como produzimos, transformamos, distribuímos e consumimos os nossos alimentos é nociva. A oferta terá dificuldade em acompanhar a procura, uma vez que as terras cultiváveis e os recursos hídricos estão a diminuir a uma velocidade alarmante. As NU estimam que, aproximadamente um terço de todos os alimentos produzidos no Mundo para consumo humano é desperdiçado anualmente, cerca de 1,3 mil milhões de toneladas, com os países industrializados e os países em desenvolvimento a desperdiçarem aproximadamente as mesmas quantidades de alimentos – respetivamente 670 e 630 milhões de toneladas. Em termos de custo, a segurança alimentar torna-se ainda mais difícil para populações do Sul da Ásia e de África, que gastam mais de 20% do rendimento em despesas alimentares (Figura 5). Tratam-se de desafios sociais e ambientais complexos para os quais não existe uma solução milagrosa. Figura 5 – Percentagem das despesas de consumo afectas a despesas alimentares da selecção de países Fonte: United States Department of Agriculture (USDA) Algumas das soluções mais promissoras, segundo a Pictet Asset Management, podem enquadrar-se em três grandes vectores: exploração agrícola, transformação, distribuição e alimentação. Alguns exemplos:    ○ A tecnologia aliada à Agricultura (i.e. Agritech) permite melhorar o rendimento das culturas com o uso de menos recursos. Antecipa-se que a indústria agrícola tenha cada vez menor dependência dos fertilizantes (a Rússia e a Ucrânia representam, em conjunto, cerca de 20% das exportações mundiais de fertilizantes azotados e 30% de potássio). A solução poderá passar por explorações agrícolas verticais e da agricultura de precisão. Na sequência da escassez de cereais a criação de gado pode, entretanto, tornar-se mais eficiente, através de melhores diagnósticos e de medidas preventivas de saúde animal;    ○ Retirar o máximo partido do que já temos, com vista à redução do desperdício, apenas possível com substanciais melhorias logísticas e melhores redes de distribuição. Alguns desses exemplos são as embalagens assépticas e a bio protecção natural;    ○ Uma questão permanente para os produtores é como tornar os alimentos mais nutritivos, acessíveis e, idealmente, mais sustentáveis. Actualmente, as empresas estão a esforçar-se por desenvolver carne cultivada em laboratório, encontrar alternativas ao leite à base de plantas e melhorar a acessibilidade dos preços, entre outros exemplos. Há também uma forte procura por ingredientes naturais e pela menor dependência do petróleo quando comparados com os sintéticos;    ○ Produzir localmente é outra solução que traz múltiplas vantagens, tais como um abastecimento mais fiável, a redução de resíduos, uma menor pegada de carbono, melhor rastreabilidade e o alívio da pressão sobre recursos cada vez mais escassos (abastecimento de água doce e terras aráveis);    ○ Apetência crescente pelos serviços alimentares directos ao consumidor (exemplo são os kits de refeições “da quinta para a mesa”), que podem encurtar as complexas cadeias de abastecimento globais e reduzir o risco de problemas logísticos, contaminação e deterioração.   Redigido por: Gonçalo Ormonde Invest Gestão de Activos 2023 SAIBA COMO INVESTIR
04.10.2023 10:13
Análise Técnica
Update: EUROSTOXX50
Eurostoxx50 @ 4073 O fecho de mês trouxe, como tem sido hábito desde Junho, uma recuperação, desta feita a rejeitar claramente a zona dos 4200, grande referência técnica nos últimos seis meses. A nossa expectativa (não reconquistando os 4200) apontava para um teste aos mínimos de Março na zona dos 4000. O índice está novamente a sujeito recuperações técnicas no curto prazo, que continuam para já, em teoria, a ser oportunidades de venda. As retracções de toda a subida iniciada em Outubro de 2022, reforçam claramente os níveis técnicos que temos defendido, pelo que como grandes pontos de interesse numa óptica de “trading”, temos os 4200 e os 4020 (a quebra em baixa dos 4020 sugeriria um teste aos 3728 e a reconquista dos 4200 obrigará a reavaliar o quadro técnico).   Análise Anterior: EUROSTOXX50 @ 4126 26.09.2023 Consulte aqui.         Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
27.09.2023 11:19
Análise Técnica
Update: S&P500
S&P500 @ 4273.53 (fecho de terça-feira) A quebra da “neckline” que apresentámos na última nota, em “gap down”, reforçou claramente o “bias” mais negativo que se iniciou no fecho do mês de Julho. Esperávamos um teste aos 4300/25 ou mesmo à exponencial dos 200 dias, nível que o S&P500 tocou ontem, perto do fecho da sessão. O índice está agora com espaço para uma recuperação técnica que pode atingir os 4402/25 sem beliscar o padrão de “lower highs & lower lows” dos últimos dois meses. Como referências (resistências) para o curto prazo, os 4302 e em seguida o intervalo 4358/76. Não reconquistando os 4302, este movimento de baixa pode estender-se sem pausas até aos 4208 ou mesmo completar a projecção do “Head & Shoulders” quebrado (4114/50).   Análise Anterior: S&P500 @ 4402.2 (fecho de quarta-feira) 21.09.2023 Consulte aqui.       Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
26.09.2023 16:18
Análise Técnica
Update: EUROSTOXX50
Eurostoxx50 @ 4126 A agravante que referimos na última nota, o espaço que os indicadores tinham num novo teste à base da lateralização, acabou por implicar mesmo a quebra do “range” dos últimos meses. Relembramos que as 2 últimas recuperações (setas a amarelo) coincidiram mais uma vez com o fecho do mês e com o fecho de derivados, o que reforça o “bias” negativo. A grande referência é agora a zona dos 4200, onde também temos a exponencial dos 200 dias, pelo que abaixo dessa zona podemos defender um teste aos mínimos de Março (4000) nas próximas semanas. A reconquista dos 4200 pode, por outro lado, representar uma nova “trap”, mas desta vez no sentido inverso da que vimos no final de Julho (na altura, uma “bull trap”).       Análise Anterior: EUROSTOXX50 @ 4241 06.09.2023 Consulte aqui.         Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
21.09.2023 14:32
Análise Técnica
Update: S&P500
S&P500 @ 4402.2 (fecho de quarta-feira) O índice aproxima-se a passos largos de confirmar o 2.º cenário apresentado na última nota. Quebrou os 4440/50 e os 4415/20. Abaixo destas referências o “bias” é claramente negativo e aponta para um teste aos 4300/25 ou mesmo à exponencial dos 200 dias (hoje nos 4263 com inclinação positiva). Numa óptica de “trading”, o fecho de ontem nos 4402 e os 4420 são as referências para qualquer plano de entrada (neste momento o quadro técnico só sugere posições curtas).   Análise Anterior: S&P500 @ 4465.48 (fecho de quarta-feira) 07.09.2023 Consulte aqui.     Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
07.09.2023 14:14
Análise Técnica
Update: S&P500
S&P500 @ 4465.48 (fecho de quarta-feira) O índice conseguiu quebrar em alta a nossa referência no intervalo 4450/72, mas fê-lo mais uma vez repetindo o padrão dos últimos dois meses, desenhando máximos relativos no fecho do mês, com quedas no volume, momentum e volatilidade. Este facto abre a possibilidade de estarmos a desenhar um “Head & Shoulders”, figura claramente de inversão.   Temos então dois importantes cenários em cima da mesa:   1 – Os anos que precedem as eleições Norte-Americanas, principalmente quando temos um “sell-off” forte em Agosto, costumam traduzir-se num último trimestre fortemente positivo. Esta é a ideia base desde que o S&P500 sustente acima dos máximos da semana passada (4542).   2 – Não conseguindo reconquistar e sustentar acima dessa referência, ganha forma a quebra da “neckline”. Se o fizer, podemos esperar um teste rápido à exponencial dos 200 dias e em seguida o completar da projecção da figura, no intervalo 4150/200.   Enquanto nenhum dos dois cenários se materializa, teremos como referência para o “bias” de curto prazo, os 4472 como resistência e os 4438 como suporte.     Análise Anterior: S&P500 @ 4369.71 (fecho de sexta-feira) 21.08.2023 Consulte aqui.     Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
07.09.2023 14:12
Análise Técnica
Update: S&P500
S&P500 @ 4369.71 (fecho de sexta-feira) Depois de atingir a projecção técnica da quebra do “range” 3800/4200 (+4600), o índice encetou uma correcção que acabou por quebrar os suportes de curto prazo, com destaque para as exponenciais e para o intervalo 4456/72. A reacção de sexta-feira, muito próximo dos importantes máximos de Agosto de 2022, abre a possibilidade de uma recuperação técnica. A quebra dos 4305/28 obrigará a uma reavaliação, mas podemos defender uma ida à exponencial dos 200 dias, hoje nos 4215. A confirmar-se a recuperação, este movimento encontrará a 1ª grande resistência no anterior suporte, o intervalo 4456/72. Resistência intermédia nos 4400.     Análise Anterior: S&P500 @ 4505.42 (fecho de segunda-feira) 17.07.2023 Consulte aqui.     Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
06.09.2023 16:30
Análise Técnica
Update: EUROSTOXX50
Eurostoxx50 @ 4241 Conforme sugerido na última nota, a reacção apontava para a manutenção da lateralização. Avançámos também duas zonas de resistência. À imagem dos dois finais de mês anteriores (Junho e Julho), o índice encetou então no final de Agosto uma recuperação em tudo semelhante, com perda de momentum e de volume, acabando por marcar o começo de um novo movimento de baixa. Fazemos também notar o máximo de fecho da recuperação técnica, nos 4326.47 claramente dentro da nossa segunda zona de resistência (4313/27). Estamos novamente a preparar um teste à importante base dos últimos meses, com uma clara agravante desta vez, o “espaço para corrigir” que apresentam os indicadores que utilizamos. Os 4176 são a grande referência para podermos continuar a defender um “bias” neutro e a lateralização iniciada em Março.     Análise Anterior: EUROSTOXX50 @ 4248 21.08.2023 Consulte aqui.         Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
18.07.2023 12:00
Análise Técnica
Update: EUROSTOXX50
Eurostoxx50 @ 4355 O índice continua a lateralizar nos mesmo níveis. Fazemos notar pequenas divergências entre o “momentum” e o preço, o que continua a sugerir a quebra em baixa deste intervalo de negociação. O preço é rei, pelo que até uma quebra clara dos níveis dos últimos meses, continuamos a ter suporte no intervalo 4200/50 e resistência nos 4400/20.   Análise Anterior: EUROSTOXX50 @ 4241 06.07.2023 Consulte aqui.         Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
17.07.2023 09:40
Análise Técnica
Update: S&P500
S&P500 @ 4505.42 (fecho de segunda-feira) Desde o fecho de derivados (“Quadruple witching” de Junho), o índice encetou uma pequena correcção que sustentou na zona dos máximos de Agosto (4320/30) e acabou mesmo por marcar no final do mês novos máximos relativos. Fazemos notar várias divergências negativas nesta segunda visita acima dos 4400 e a abertura de hoje, em “gap down”, a definir claramente uma zona de resistência/venda para o curto prazo, nos 4410/20. Esta ideia é válida até que o preço a invalide com novos máximos diários em fecho, ou com um teste a uma das duas zonas de suporte destacadas, primeiro os 4268/72 e em seguida os 4115/24. É importante também salientar que, olhando para os gráficos de prazo mais alargado (como exemplo, o gráfico semanal), a sustentação abaixo dos máximos de Agosto nos 4325, seria um importante sinal de alarme. A reconquista dos 4410/20 durante esta semana, manteria o S&P500 com um claro “bullish bias”.   Análise Anterior: S&P500 @ 4397 06.07.2023 Consulte aqui.     Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
07.07.2023 11:43
Condução Autónoma
Porquê investir?
O sonho de vermos veículos sem condutor a transportar-nos ao nosso destino de forma eficiente captou a imaginação do comum consumidor e continua a alimentar milhares de milhões de dólares em investimentos. O facto é que para muitas pessoas, ter e utilizar um carro convencional, especialmente num ambiente urbano, é uma real dor de cabeça: os custos iniciais, seguro, reparações, taxas de estacionamento, multas por infrações, entre outras. Os veículos autónomos (VA) poderão ver atenuados alguns destes problemas. Apesar dos mais recentes contratempos, que adiaram os prazos de lançamento de VA e o consequente tardar da adopção por parte do consumidor, continua a existir o quórum de que a condução autónoma (CA) tem guardado um enorme potencial, não só de transformar radicalmente os transportes, como também o comportamento dos consumidores e a sociedade em geral. Coloca-se, primeiramente, uma questão fulcral: como se define então um veículo autónomo? Segundo a Synopsys, fornecedor de software de automatização da conceção eletrónica (EDA), define-se como um veículo capaz de detectar o seu ambiente em redor e funcionar com diferentes níveis de autonomia. Pode ir a qualquer lugar, à semelhança do veículo tradicional e fazer tudo o que um condutor humano experiente faz. Segundo a Society of Automotive Engineers (SAE), existem seis níveis de autonomia (Figura 1): NÍVEL 0 - São de nível zero a maioria dos veículos que circulam actualmente na estrada. O condutor fornece a "tarefa de condução dinâmica", embora possam existir sistemas que auxiliem o condutor; NÍVEL 1 - Neste nível, o veículo dispõe de um único sistema automatizado de assistência ao condutor, como a direção ou o controlo da velocidade cruzeiro (o condutor monitoriza a direcção e a travagem); NÍVEL 2 - Definido como advanced driver assistance systems ou ADAS, o veículo pode controlar a direcção, aceleração ou desaceleração. Porém, ainda está longe da condução autónoma, uma vez que o condutor pode assumir o controlo do automóvel a qualquer altura. Alguns exemplos de nível dois são o Tesla Autopilot e Cadillac Super Cruise; NÍVEL 3 - A diferença entre o nível dois e três é substancial do ponto de vista tecnológico, porém ínfimo do ponto de vista do condutor. Este nível, nos veículos, acarreta capacidades de "detecção do ambiente" bem como decisões próprias informadas. Por outro lado, mantém-se a necessidade de controlo por parte do condutor, caso seja necessário. Neste nível, os veículos incorporam, por exemplo, a tecnologia LiDAR que contem uma avançada fusão de sensores e poder de processamento; NÍVEL 4 - Estes veículos não requerem a interação do condutor, na maioria das situações. Neste nível, os veículos podem funcionar em modo de condução autónoma, mas até que a legislação e as infraestruturas evoluam, só o podem fazer numa área limitada (i.e. geofencing); NÍVEL 5 - Os veículos de nível 5 não requerem a atenção humana, nem sequer terão volantes ou pedais de aceleração ou desaceleração, nem mesmo delimitação geográfica. Estes veículos encontram-se, neste momento, a serem testados em várias partes do globo não estando porém, ainda disponíveis para o consumidor em geral. Figura 1 – Níveis de autonomia de condução segundo a SAE Fonte: Society of Automotive Engineers (SAE), Synopsys A condução autónoma (CA) pode vir a revolucionar a experiência de mobilidade, tornando-a mais segura, mais cómoda e mais agradável. São inúmeras as vantagens sendo a segurança identificada como a mais relevante. De acordo com a ICDP, organização internacional de investigação e consultoria especializada na venda a retalho e pós-venda de automóveis, numa análise sobre a Europa, a crescente adopção de Sistemas Avançados de Assistência ao Condutor (SAAC) poderá reduzir o número de acidentes em cerca de 15% até 2030. A condução autónoma trará significativas mais-valias económicas à indústria automóvel. Actualmente, a maioria dos veículos inclui funcionalidades SAAC básicas, mas a generalidade acabará por atingir o nível quatro. De acordo com a McKinsey, a crescente procura de sistemas de CA, com níveis mais elevados, poderá gerar milhares de milhões de dólares em receitas. Com base no interesse dos consumidores nas funcionalidades de CA e nas soluções comerciais actualmente disponíveis no mercado, os SAAC e CA terão um valor de mercado, de acordo com o Statista, de cerca de 2,2 triliões de dólares em 2030 (Figura 2). Já a McKinsey prevê que os SAAC e CA poderão gerar entre 300 mil milhões e 400 mil milhões de dólares em receitas no mercado dos veículos de passageiros até 2035 (Figura 3). Figura 2 – Total valor de mercado mundial de veículos autónomos entre 2021 e 2023 com previsões até 2030 Fonte: Statista, Next Move Strategy Consulting Figura 3 – Previsão de vendas de Sistemas Avançados de Assistência ao Condutor (SAAS) e Condução Autónoma (CA) até 2035, em mil milhões de dólares Fonte: McKinsey & Co. Ainda de acordo com a McKinsey, no que aos fornecedores diz respeito, estes terão de articular a sua vantagem competitiva, proposta de valor, estratégias (uma abordagem orientada é a que gerará retornos mais elevados) e ter acesso a uma grande quantidade de dados, de frotas, de forma a treinar algoritmos que permitam atingir baixas taxas de mau funcionamento. O valor total de mercado de componentes de CA para veículos de passageiros poderá atingir até 2030 entre 55 mil milhões a 80 mil milhões de dólares (Figura 4). Figura 4 – Decomposição do valor de mercado por tipo de hardware de condução autónoma, em mil milhões de dólares Fonte: McKinsey & Co. De acordo com um questionário realizado em 2021, a McKinsey apurou que cerca de 25% dos inquiridos afirmou ser muito provável escolher um veículo de nível quatro ao comprar o seu próximo veículo. Os sistemas de nível três e nível quatro para condução em autoestradas (i.e. vias amplas, bem sinalizadas) estarão, provavelmente, disponíveis primeiramente no segmento de veículos particulares de passageiros no ano de 2025 na Europa e América do Norte. Porém, os elevados custos iniciais de desenvolvimento de sistemas que incorporem estes níveis, sugerem que estas empresas limitar-se-ão, em primeira instância, ao comércio para o segmento de veículos de luxo. Custos adicionais de licenciamento de hardware e software para estes níveis, podem atingir mais de 5.000 dólares na fase inicial de lançamento. Tendo em conta importantes marcos ainda por atingir, tais como maturidade tecnológica, regulamentação favorável, menor custo da tecnologia e hardware, avanços significativos no registo das marcas de veículos com o nível quatro e maior aceitação do consumidor, a Bain & Co., consultora americana, prevê que os custos serão reduzidos em cerca de 85% até 2030, quase total aceitação do consumidor em 2026 e que os veículos autónomos começarão a ganhar efectivo momentum em 2028, como mostra a Figura 5. Figura 5 – Tempo necessário para se atingir cada um dos cinco marcos Fonte: Bain & Co., IHS Markit, European Federation for Transport and Environment À medida que a tecnologia evolui é de esperar uma transformação muito significativa na forma como nos deslocamos, viajamos e transportamos mercadorias. Ultrapassadas algumas das mais evidentes limitações, como o comportamento humano imprevisível nas estradas, o custo da integração da tecnologia nos veículos é ainda muito elevado, riscos de cibersegurança e as actuais infraestruturas não estão concebidas para acomodar veículos autónomos, o futuro parece muito risonho para a condução autónoma. Como investir? Invista nesta tendência através das seguintes alternativas selecionadas: Invest Tendências Globais Trend Megatendências Trend Inteligência Artificial Trend Segurança Redigido por: Gonçalo Ormonde Invest Gestão de Activos 2023
06.07.2023 18:43
Análise Técnica
Update: EUROSTOXX50
Eurostoxx50 @ 4241 O índice Eurostoxx50 aguentou a zona de suporte no final de junho, já testou o topo do “range” e está novamente em cima do suporte dos últimos meses. A lateralização continua, mas continuamos a ter a expectativa que a quebvra irá ser feita no sentido descendente, com o 1º objectivo na exponencial dos 200 dias (hoje nos 4136), ou mesmo nos mínimos de Março (4000/40). De qualquer forma, insistimos, para já o padrão é uma lateralização até que seja quebrada. Suporte no intervalo 4200/52. Resistência nos 4400/20. Análise Anterior: EUROSTOXX50 @ 4251 O índice voltou a testar o topo da lateralização dos últimos meses e numa semana colou ao extremo oposto deste intervalo de negociação. Estamos novamente a testar os suportes que impedem o teste à exponencial dos 200 dias (hoje nos 4117.77): os 4248 como a primeira referência abaixo dos 4311 e em seguida os 4197. Abaixo dos 4311 o “bias” é negativo e a nossa expectativa é que o índice teste a exponencial dos 200 dias nas próximas 2 semanas. Análise Anterior: EUROSTOXX50 @ 4294 02.06.2023 Consulte aqui.         Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
06.07.2023 18:40
Análise Técnica
Update: S&P500
S&P500 @ 4397 Desde o fecho de derivados (“Quadruple witching” de Junho), o índice encetou uma pequena correcção que sustentou na zona dos máximos de Agosto (4320/30) e acabou mesmo por marcar no final do mês novos máximos relativos. Fazemos notar várias divergências negativas nesta segunda visita acima dos 4400 e a abertura de hoje, em “gap down”, a definir claramente uma zona de resistência/venda para o curto prazo, nos 4410/20. Esta ideia é válida até que o preço a invalide com novos máximos diários em fecho, ou com um teste a uma das duas zonas de suporte destacadas, primeiro os 4268/72 e em seguida os 4115/24. É importante também salientar que, olhando para os gráficos de prazo mais alargado (como exemplo, o gráfico semanal), a sustentação abaixo dos máximos de Agosto nos 4325, seria um importante sinal de alarme. A reconquista dos 4410/20 durante esta semana, manteria o S&P500 com um claro “bullish bias”. Análise Anterior: S&P500 @ 4328.82 (Fecho de segunda-feira) O índice já atingiu e ultrapassou os 4400, com o fecho de derivados (15/6 Junho) a marcar os máximos de curto prazo. Desde então temos assistido a uma correcção, com o índice a aproximar-se da anterior zona de resistência, agora suporte, nos 4325. Os sinais de venda no sindicadores foram claros e não estamos ainda em situação de sobre venda, pelo que podemos esperar ainda um teste aos 4298 ou mesmo aos 4204.   A reconquista dos 4382/9 sinalizaria o final da correcção (lembramos o próximo objectivo, nos 4600), não o fazendo, esperamos um teste ao “breakout” nos 4200/20.     Análise Anterior: S&P500 @ 4369 14.06.2023 Consulte aqui.     Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
27.06.2023 11:55
Análise Técnica
Update: S&P500
S&P500 @ 4328.82 (Fecho de segunda-feira)   O índice já atingiu e ultrapassou os 4400, com o fecho de derivados (15/6 Junho) a marcar os máximos de curto prazo. Desde então temos assistido a uma correcção, com o índice a aproximar-se da anterior zona de resistência, agora suporte, nos 4325. Os sinais de venda no sindicadores foram claros e não estamos ainda em situação de sobre venda, pelo que podemos esperar ainda um teste aos 4298 ou mesmo aos 4204.   A reconquista dos 4382/9 sinalizaria o final da correcção (lembramos o próximo objectivo, nos 4600), não o fazendo, esperamos um teste ao “breakout” nos 4200/20.     Análise Anterior: S&P500 @ 4369 14.06.2023 Consulte aqui.     Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
26.06.2023 09:05
Análise Técnica
Update: EUROSTOXX50
Eurostoxx50 @ 4251   O índice voltou a testar o topo da lateralização dos últimos meses e numa semana colou ao extremo oposto deste intervalo de negociação. Estamos novamente a testar os suportes que impedem o teste à exponencial dos 200 dias (hoje nos 4117.77): os 4248 como a primeira referência abaixo dos 4311 e em seguida os 4197. Abaixo dos 4311 o “bias” é negativo e a nossa expectativa é que o índice teste a exponencial dos 200 dias nas próximas 2 semanas.   Análise Anterior: EUROSTOXX50 @ 4294 02.06.2023 Consulte aqui.         Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
14.06.2023 11:52
Automação e Robótica
Porquê investir?
Ultrapassada a Revolução Industrial, o uso do motor de combustão e a Era da Informação do século XX, encontramo-nos no limiar de uma nova revolução (tecnológica), liderada por múltiplas formas de automação, que irá ter um grande impacto na competitividade das empresas e dos respetivos países. Com o aumento da esperança média de vida e a diminuição das taxas de natalidade a nível global, segundo as Nações Unidas, prevê-se que a percentagem da população mundial com 65 ou mais anos aumente de 10% para cerca de 16% no ano de 2050. Tendo em conta este cenário, a automação e a robótica terão um papel central e crucial na compensação da perda de produtividade, no melhorar da qualidade dos produtos e serviços, na eficiência de processos e de recursos (tendo em conta a pressão actual sobre os recursos do planeta e o aumento da poluição). Contudo, o sector continuará a ter alguns obstáculos como, por exemplo: o cepticismo, o custo do hardware e a falta de expertise. Segundo a consultora BCG, é esperado que o mercado de automação e robótica cresça dos actuais 25 mil milhões de dólares para cerca de 67 mil milhões de dólares em 2025 e, cinco anos depois, em 2030, totalize entre 160 mil milhões a 260 mil milhões de dólares, com a quota de mercado dos robôs de serviços profissionais a atingir os 170 mil milhões de dólares e as vendas de robôs industriais e logística nos cerca de 80 mil milhões de dólares. De acordo com o estudo da consultora McKinsey, Global Industrial Robotics Survey, a automação terá uma ponderação de cerca de 25% dos gastos de capital nos próximos cinco anos sendo que, será o retalho e bens de consumo o sector industrial que mais gastará. Deste sector, apenas 23% das empresas irá gastar mais de 500 milhões nos próximos cinco anos, comparados com os 15% do sector alimentar e bebidas e 8% do sector automóvel. Para as empresas de logística e abastecimento, a automação representará 30% ou mais das suas despesas globais de capital (Figura 1). Figura 1 – Percentagem média de investimento em automação (por sector) e Montante previsto de investimento em automação nos próximos 5 anos (total por sector) Fonte: McKinsey & Company Com milhares de milhões de dólares previstos em investimento na automação durante os próximos anos, as empresas procurarão garantir que a implementação é correta e fiável. Desta forma, os fornecedores mais bem-sucedidos serão, naturalmente, aqueles que conseguirem ajudar as empresas a superar desafios como a seleção adequada da tecnologia, planeamento da implementação e aquisição do conjunto de habilidades necessárias para a implantação. Identificando corretamente o tipo de operações que podem ser automatizadas, os benefícios e vantagens incluem: melhoraria a qualidade, trabalho com maior rapidez e capacidade, optimização de tempo de actividade operacional e segurança (Figura 2). Figura 2 – Classificação do impacto da automação por beneficio ou vantagem Fonte: McKinsey & Company Por outro lado, os principais desafios à adopção da automação incluem o custo de capital e a falta de experiência na automação. A McKinsey afirma que a confiança das empresas na tecnologia é baixa, o que leva a desafios do ponto de vista da convicção e do financiamento. No sector retalhista e bens de consumo, cerca de 60% das empresas citam estes dois factores como os primordiais obstáculos ao processo (Figura 3). Figura 3 – Obstáculos à adoção da automação (por sector) Fonte: McKinsey & Company As expectativas, dos inquiridos deste estudo, quanto aos ganhos de produção e fiabilidade através da automação, são contrariadas pela crença de que esses mesmos ganhos eliminarão postos de trabalho e/ou afectarão os contratos existentes. Efectivamente, uma das grandes preocupações e parte do cepticismo, não só das empresas como dos indivíduos, reside na apreensão de que um número muito significativo de empregos sofrerá com a automação e robótica. Ora, de acordo com o The Economist, a realidade não é tão cinzenta. Numa análise entre 1995 e 2017, o jornal britânico observou que a automação impacta positivamente o emprego e, esse mesmo impacto, tende a aumentar com o tempo: (1) aumento de 1% na automação de uma fábrica aumenta o emprego em 0,25% ao cabo de dois anos e (2) 0,4% ao fim de dez anos. Verificou ainda que este impacto é semelhante, tanto a nível industrial, como corporativo. Com uma visão mais negra, a Goldman Sachs prevê que a automação e robótica ponham em risco cerca de 300 milhões de empregos, a tempo inteiro, em todo o mundo. Dinâmica de Mercado Os temas de investimento são identificados com base em megatendências (Figura 4). De acordo com o Banco Pictet e com a BCG, as megatendências que irão marcar estes temas são: • Tecnologias facilitadoras - empresas que fornecem tecnologias capazes de permitir aos robôs detectar, processar, comunicar e actuar. As principais capacidades são a perceção, a análise e o movimento; • Automação – empresas que permitirão a próxima geração de automação nas instituições. Os principais subgrupos incluem robots industriais, automação industrial e automação de processos empresariais; • Aplicações para serviços e consumo – empresas que desenvolvem soluções de robótica e automação destinadas a aplicações de consumo e de serviços para o dia-a-dia. Os subgrupos incluem analytics e robótica de cuidados de saúde, robótica de consumo e sistemas remotos e autónomos. Figura 4 – Quadro de megatendências da Automação e Robótica Fonte: Pictet Asset Management A maior fatia dos benefícios futuros sobre os temas anteriormente discutidos reverterá a favor de empresas que se enquadrem numa ou mais destas megatendências, numa altura em que os olhos dos investidores estão voltados para os grandes temas da revolução tecnológica, com foco na automação, robótica, inteligência artificial e deep e self learning. Como investir? Invista nesta tendência através das seguintes alternativas selecionadas: Invest Tendências Globais Trend Megatendências Trend Inteligência Artificial Trend Segurança Redigido por: Gonçalo Ormonde Invest Gestão de Activos 2023
14.06.2023 10:59
Análise Técnica
Update: S&P500
S&P500 @ 4369   A quebra dos 4200 ao fim de várias tentativas, tornou clara a direcção do preço. O 1º objectivo técnico foi rapidamente atingido e ultrapassado (4325). Esta referência é agora o primeiro suporte/zona de entrada no índice. Qualquer correcção com sucesso a essa zona pode deve ser vista como uma oportunidade de entrada para posicionamentos mais agressivos. O suporte “ideal” de entrada está no intervalo 4200/20. O próximo objectivo em alta é a zona dos 4400 e fazemos notar que a projecção técnica do “breakout” acima dos 4200, está no intervalo 4600/50. O “bias” é positivo acima dos 4200 e principalmente acima dos 4325.     Análise Anterior: S&P500 @ 4180 22.05.2023 Consulte aqui.     Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
02.06.2023 15:42
Inovação científica no combate à obesidade
Porquê investir?
Os problemas de saúde relacionados com a obesidade foram responsáveis por mais de 5 milhões de mortes a nível mundial em 2019. O aumento da prevalência da obesidade acarreta consequências, tanto ao nível da saúde, como a nível económico sendo que, este último, não tem sido devidamente explorado. Segundo a World Obesity Federation, é esperado que em 2030 uma em cada cinco mulheres e um em cada sete homens viverão com obesidade, isto é, um body mass índex (BMI) de 30 ou mais kg/m2, perfazendo cerca de mil milhões de pessoas a nível global. De acordo com a mesma fonte, sem qualquer tipo de intervenção, o impacto socioeconómico do excesso de peso e da obesidade será substancial. Tendo em conta o aumento do nível populacional, bem como das distribuições de faixa etária, prevê-se que os custos globais com o excesso de peso e obesidade aumentem para mais de 3 mil milhões de dólares em 2030 e mais de 18 mil milhões de dólares até 2060. Este aumento de custos afetará especialmente países do grupo de rendimento médio-superior, tal como podemos observar pela Figura 1. Figura 1 – Estimativa dos custos económicos entre 2020 e 2060 por grupo de rendimento Fonte: World Obesity Federation Tendo em conta as tendências actuais, isto é, alterações na dimensão da população, dos custos de cuidados de saúde, bem como da solidez do sistema de saúde; dos custos prováveis da perda de produção, tendo em conta as estruturas salariais; e as taxas de emprego previstas para os diferentes grupos da população, prevê-se que em 2060 a grande maioria dos países tenha níveis de prevalência de excesso de peso e obesidade acima de 70% em toda a população (incluindo crianças). Estes custos económicos incluem tanto os custos directos, decompostos por custos de cuidados médicos e sociais, bem como custos indirectos, onde se incluem custos decorrentes de problemas de saúde e morte, resultantes de doenças crónicas relacionados com a obesidade e a consequente perda de produtividade económica. Tal como a Figura 2 indica, custos indirectos ou "invisíveis" para a economia são significativamente mais elevados do que os custos directos ou "visíveis". Figura 2 – Repartição dos custos económicos da obesidade em custos diretos e indiretos Fonte: World Obesity Federation Estes custos para as economias globais, em 2020, variaram entre mais de 1% do PIB nos países do continente africano e mais de 3% do PIB nos países do continente americano. Até 2060, prevê-se que estes custos aumentem consideravelmente, variando entre mais de 2% do PIB nos países da região africana, mais de 4% do PIB nos países do continente americano e mais de 5% do PIB nos países do Médio Oriente. Prevê-se que, em 2060, no total dos 161 países em foco, os custos económicos do excesso de peso e da obesidade excedam 3% do PIB mundial. Estes mesmos países poderiam poupar significativamente se as principais causas do aumento da prevalência do excesso de peso e da obesidade fossem atacadas. Um cenário de abrandamento do aumento da prevalência do excesso de peso (e.g. uma redução de 5%), proporcionaria uma poupança anual média de cerca de 7% ou cerca de 430 mil milhões de dólares a nível global até 2060. Num segundo cenário, travar o aumento do excesso de peso e prevalência da obesidade aos níveis de 2019 até 2060, proporcionaria uma poupança anual de 23% em média, ou cerca de 2,2 triliões de dólares a nível global até 2060. Como é possível observar pela Figura 3, em 2060 a China será o país, a nível global, com mais custos económicos do excesso de peso e da obesidade num total de cerca de 10,1 triliões de dólares, o que representa cerca de 3,1% do PIB. Dos países seleccionados, os EUA aparecem em segundo lugar com 2,6 triliões de dólares correspondente a cerca de 4,6% do PIB. Destaque ainda para a Arábia Saudita, com estes custos a representarem cerca de 5,6% do PIB no ano de 2060. Figura 3 – Países cujos custos económicos do excesso de peso e da obesidade deverão exceder 100 mil milhões de dólares em 2060 Fonte: World Obesity Federation Dinâmica de Mercado Os medicamentos para perda de peso tornaram-se um tema quente, numa altura em que as autoridades de saúde e as farmacêuticas procuram encontrar soluções para a crescente epidemia de obesidade. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, as taxas de obesidade mundial quase triplicaram na última década e, actualmente, estima-se que mil milhões de pessoas são clinicamente obesas, das quais cerca de 650 milhões são adultos, 340 milhões adolescentes e 39 milhões crianças. A indústria de medicamentos para perda de peso, que recentemente tem despertado o apetite dos investidores com a promessa de combater as preocupantes taxas de obesidade globais poderá, segundo o Barclays, valer até 200 mil milhões de dólares na próxima década, com contribuição de cerca de 60% dos Estados Unidos, 26% da União Europeia e 16% RoW (tal como ilustrado na Figura 4). Este crescimento global é maioritariamente impulsionado por (Figura 5): (1) Vendas globais da Wegovy (Novo Nordisk) a aumentarem de $0.9bn em 2022 para $14bn em 2028; (2) Vendas globais de Mounjaro (Eli Lily) a aumentarem de $280mm em 2024, inicio esperado de comercialização, para $7.5bn em 2028; (3) Vendas globais de CagriSema, Novo Nordisk, a aumentarem de $481mm em 2025, inicio esperado de comercialização, para $17bn. Mais conservadores, os Bancos de Investimento Citi e Morgan Stanley avaliam a indústria entre os 50 e 55 mil milhões de dólares, em 2030. Figura 4 – Divisão das receitas por fármacos Barclays Research Figura 5 – Divisão das receitas por região Barclays Research As farmacêuticas Novo Nordisk e Eli Lily estão entre as que mais chamaram a atenção por combaterem a obesidade e excesso de peso com os seus medicamentos para perda de peso. O desenvolvimento e comercialização do Wegovy da Novo Nordisk acelerou uma mudança de percepção da obesidade como uma condição médica real, numa altura em que se entende existirem agentes terapêuticos eficazes. Segundo o Barclays, a maior fatia dos benefícios reverterá a favor dos dois primeiros líderes: Novo Nordisk e Eli Lilly. A Figura 6 ilustra essa mesma previsão até ao ano de 2028, com dominância clara da farmacêutica dinamarquesa. Figura 6 – Quota de mercado por fármaco em % vendas Barclays Research Como investir? Invista nesta tendência através das seguintes alternativas selecionadas: Invest Tendências Globais Trend Saúde Trend Vida Saudável Trend Biotech Redigido por: Gonçalo Ormonde Invest Gestão de Activos 2023
02.06.2023 09:16
Análise Técnica
Update: EUROSTOXX50
Eurostoxx50 @ 4294   O índice não conseguiu para já quebrar a zona de máximos (4395/4416), mas parece também não estar a aguentar os 4300/20, o que sugere um teste à exponencial dos 200 dias (hoje nos 4082), na zona dos mínimos de Março. Esta é a ideia base para as próximas sessões desde que o índice não sustente acima dos 4320.   Análise Anterior: EUROSTOXX50 @ 4347 08.05.2022 Consulte aqui.         Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
22.05.2023 16:02
Análise Técnica
Update: S&P500
S&P500 @ 4180   O índice continua a negociar na banda dos últimos meses, estando novamente a tentar quebrar em alta a zona dos 4200. Este é o último nível a ultrapassar do ponto de vista técnico até um teste aos 4325. Por outro lado, nova falha nesta zona, aliada ao elevado optimismo dos intervenientes, pode trazer novamente a base do “range” de negociação dos últimos meses, ou pelo menos nova visita ao intervalo 3960/4000. O sector tecnológico tem sido o grande motor das subidas deste ano, pelo que fará sentido acompanhar nesta zona o comportamento das “Big-caps”.   Análise Anterior: S&P500 @ 3920 24.04.2022 Consulte aqui.   Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
16.05.2023 11:19
Obrigações
Porquê investir?
O Trend “Bond Portfolio” é composto por 40% de dívida pública e 60% de dívida privada, repartida em 40% de emitentes com rating Investment Grade (IG) e 20% com rating High Yield (HY).   De acordo com várias estimativas, o ano de 2023 deverá ser um ano de fraco crescimento e de normalização das taxas de inflação, em resultado das políticas monetárias restrictivas dos Bancos Centrais, após a rápida subida das taxas de juro e diminuição da liquidez nas economias.   A conjugação destes factores – abrandamento do crescimento ecónomico e pico da inflação e das taxas de juro – poderá traduzir-se na outperformance das Obrigações, em especial as com melhor rating de crédito (IG) relativamente às Acções, cujas avaliações permanecem vulneráveis à revisão em baixa das estimativas de crescimento dos earnings das empresas, num contexto macroeconómico mais adverso. Porquê Investir?   As Obrigações IG tendem a exibir mais resiliência durante períodos de correção de mercado (drawdowns mais expressivos):                 Fonte: Goldman Sachs Asset Management, based on Bloomberg indexes   Por outro lado, as obrigações de Dívida Privada descontam um cenário bem mais pessimista do que as Acções, reflectido em taxas de default (níveis de incumprimento) implícitas nos respectivos spreads de crédito actualmente exigidos pelo mercado, muito superiores à média histórica. Assim, os actuais níveis são interessantes para ganhar exposição à Dívida Privada, nomeadamente no segmento com melhor rating (IG). Os spreads de crédito investment grade estreitaram do pico de 15 de Março:               Fonte: Bloomberg, J.P. Morgan Asset Management; data as of 25 April 2023.   O HY está igualmente em níveis historicamente interessantes, mas tendo em consideração a incerteza macroeconómica e a correlação histórica mais elevada com os mercados accionistas, faz sentido uma maior cautela, reflectida na menor exposição no Trend (20%). Por último, a Dívida Pública, cujas yields subiram igualmente de forma acentuada em 2022, volta a ser interessante enquanto instrumento com rendibilidade e, sobretudo, enquanto instrumento de diversificação, caso a conjuntura macroeconómica venha a revelar-se mais severa do que o esperado.   Porquê agora?   O potencial de retorno total está em máximos em mais de uma década. Quando as yields eram baixas - ou mesmo negativas – as yields das obrigações de alta qualidade não eram atractivas e não ofereciam potencial de retorno interessante. Mas, após um doloroso ajuste em 2022 devido à subida acentuada e rápida das taxas de juro num ambiente de restrição de política monetária, o segmento IG oferece agora o nível de rendimento mais atractivo em mais de uma década.   De facto, o potencial de retorno total está no limite superior do seu intervalo histórico, especialmente se considerarmos os padrões do período pós-crise financeira global. Esta yield elevada pode oferecer, não só protecção durante os movimentos de redução do risco, mas também ajudar a compensar as descidas dos preços das obrigações, caso as taxas continuem a subir. Um ritmo mais lento de aperto monetário também implica uma menor volatilidade das taxas, o que tenderá a favorecer o segmento Investment Grade. Evolução histórica da Yield to Worst:               Fonte: Schroders   Considerando os fundos constituintes, o Trend apresenta as seguintes principais métricas*: - Yield média: 4.9% - Duration: 5,4 anos - Rating médio: A- - Alocação geográfica:              *Dados da carteira relativo a 31 de Março 2023     Invista numa carteira diversificada de fundos de investimento de Obrigações, com uma yield média atractiva e um rating de crédito de qualidade Investment Grade.  
08.05.2023 11:22
Análise Técnica
Update: EUROSTOXX50
Eurostoxx50 @ 4347   Para já a consolidação esperada abaixo dos 4400 aguentou a zona dos 4300.  Se o índice tiver agora capacidade para passar os 4375 e principalmente os 4416, fica com caminho aberto para um teste ao intervalo 4600/4700. Por outro lado, não conseguindo suplantar estas zonas e se quebrar os mínimos da última semanas, devemos ter novo teste aos 4000, ou pelo menos à exponencial dos 200 dias, hoje nos 4034.   Análise Anterior: EUROSTOXX50 @ 4398 17.04.2022 Consulte aqui.         Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
28.04.2023 09:45
Inteligência Artificial (IA)
Tendência de Investimento
A Inteligência Artificial (IA) está a revolucionar várias indústrias e vai criar ainda mais valor na próxima década. Com o rápido crescimento dos chatbots alimentados por IA, como o ChatGPT e a crescente procura pelo poder de computação e pelos chips semicondutores, várias empresas dos mais distintos sectores estão constantemente a competir para conquistar um lugar neste mercado.  Segundo Bill Gates, a IA será tão importante como o PC ou a Internet.  Apenas cinco dias após o seu lançamento, no final de Novembro de 2022, o ChatGPT atingiu 1 milhão de utilizadores, registando o crescimento mais rápido de sempre de uma base de utilizadores. Em Janeiro de 2023, o ChatGPT atingiu 100 milhões de utilizadores e conta, actualmente, com uma estimativa de 600 milhões de visitantes mensais.                  Fonte:Tooltester   A IA é um avanço tecnológico que pode ser usado em muitas áreas: Fonte: Pictet   Ao estar numa fase ainda inicial de desenvolvimento, a IA apresenta vários desafios: Qualidade A viabilidade da informação/output gerados. Enviesamento Se os dados usados estão enviesados, o modelo pode gerar outputs que reflectem esse enviesamento. Confiança A informação gerada pode ser difícil de compreender ou de explicar, sendo difícil confiar no output. Ética Possibilidade de criar conteúdo falso, com a automatização dos trabalhos e direitos de autor. Segurança Os modelos de IA podem ser vulneráveis a ataques adversos, levando à geração de falso conteúdo. É importante identificar quem vai beneficiar do maior valor criado por esta tendência de investimento. Na nossa opinião, identificamos três potenciais vencedores. Primeiro, os fornecedores de infraestruturas na cloud (ex: Microsoft, Amazon e Alphabet) que estão a fornecer o poder de computação e armazenamento necessários para as empresas que estão a transitar para a era da IA. Neste sentido, a Microsoft tem visto as suas receitas de IA aumentarem significativamente. Por outro lado, a Nvidia acaba de anunciar, em parceria com os fornecedores da cloud, a sua oferta "AI-as-a-service", a cloud Nvidia DGX, que é um supercomputador acessível através do seu navegador. Espera-se que a cloud DGX torne a IA mais acessível a uma vasta gama de empresas. Em segundo lugar, acreditamos que as grandes beneficiadas serão as empresas de software com capacidades líderes de IA. As grandes empresas de software podem consolidar ainda mais os seus mercados através do seu acesso a grandes conjuntos de dados, um pré-requisito para a formação dos melhores modelos de IA. Por exemplo, a IA é um game changer para empresas de cibersegurança, como a Crowdstrike. A cloud e a IA permitem-lhes detectar violações de segurança e tomar medidas correctivas em tempo real. Naturalmente, os clientes tendem a procurar cada vez mais um fornecedor com uma rede maior, ou seja, o melhor conjunto de dados, assim como as capacidades mais avançadas de IA. Por último, é possível que ganhe a corrida à IA quem detiver as melhores ferramentas. Assim, somos inevitavelmente conduzidos para as empresas produtoras de semicondutores. Todos os desenvolvimentos em IA requerem cada vez mais poder computacional e, por consequência, chips e equipamento semicondutor. Os modelos de IA de formação são feitos em chips GPU, tipicamente fabricados pela Nvidia e pela AMD. De facto, o CEO da Nvidia, Jensen Huang, afirmou recentemente que a velocidade de IA acelerou um milhão de vezes durante a última década. Através de novos chips, interligações e algoritmos, a Nvidia espera acelerar o processamento de IA por mais um milhão de vezes ao longo dos próximos dez anos.   Numa altura em que os investidores se mostram cada vez mais interessados pela revolução tecnológica, invista numa carteira de fundos que aposta em empresas globais que promovem o desenvolvimento da IA, incluindo a análise de Big Data, a Aprendizagem das Máquinas, a Condução Autónoma e a Internet das Coisas. Como investir?   No Banco Invest pode ganhar exposição a este tema através do Invest Trend Inteligência Artificial    Redigido por: Raul Póvoa Invest Gestão de Activos 2023
24.04.2023 11:55
Análise Técnica
Update: S&P500
S&P500 @ 4133.52 (Fecho de sexta-feira)   A subida do final do trimestre continua a marcar o momento no índice S&P500. Alargando o período temporal de análise, constatamos que o preço continua a encontrar resistência nos níveis de Setembro de 2022, no intervalo 4150/4200. Esta zona define a última resistência antes do último grande movimento no gráfico semanal (com topo nos 4325). No sentido inverso, como suporte a garantir um “bias” mais positivo no curto prazo, encontramos o intervalo entre os 4094 (retracção de 23.6%, onde também temos a exponencial dos 22 dias)e o fecho do trimestre, nos 4109. O próximo movimento mais direccional acontecerá quando uma destas bandas for quebrada com volume.      Análise Anterior: S&P500 @ 3920 10.03.2022 Consulte aqui.   Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
17.04.2023 09:39
Análise Técnica
Update: EUROSTOXX50
Eurostoxx50 @ 4398   A correcção de Março, a sustentar nos 4000, serviu de alavanca para uma subida clara acima dos 4300. Continuamos com várias divergências negativas, fraco volume no ataque aos máximos e novamente um consenso muito grande no mercado, a sugerir muito pouca protecção por parte dos investidores. A zona dos 4400 marcou um duplo topo em 2021, pelo que é natural que assistamos a nova consolidação nas próximas sessões. Se essa consolidação aguentar a zona dos 4300, o índice poderá ganhar lastro para um teste ao intervalo 4600/700, por outro lado, se se mostrar novamente incapaz de esta referência, devemos ver novo teste à exponencial dos 200 dias (hoje na zona dos 4000).   Análise Anterior: EUROSTOXX50 @ 4118 24.03.2022 Consulte aqui.         Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
06.04.2023 10:31
INVEST OUTLOOK
2º TRIMESTRE 2023
24.03.2023 15:40
Análise Técnica
Update: S&P500
S&P500 @ 3920   Desde a nossa última nota técnica, o S&P500 encetou mais uma recuperação técnica, depois de ter desenhado um novo “lower low” junto aos 3800. Desta vez, o movimento de alta claudicou na zona dos 4040, marcando um novo “lower high”, confirmando o desenho de uma nova tendência de baixa de curto prazo, a alinhar com a tendência dos gráficos de prazo mais alargado. Esperamos novo teste aos 3750/800, suporte que separa o S&P500 de um regresso total ao “Bear Market” iniciado em 2022. A reconquista dos 4000 permitiria dar o benefício da dúvida ao índice, mas um “bias” positivo só seria confirmado com a sustentação acima dos 4100.     Análise Anterior: S&P500 @ 3918.32 (fecho de quinta-feira) 10.03.2022 Consulte aqui.   Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
28.02.2024 08:51
Masterlist Portugal
26 de Fevereiro de 2024
[ download ]
28.02.2024 08:50
ChartBook PMI
26 de Fevereiro de 2024
[ download ]
28.02.2024 08:51
ChartBook Forex
26 de Fevereiro de 2024
[ download ]
28.02.2024 08:51
ChartBook Sectores
26 de Fevereiro de 2024
[ download ]
28.02.2024 08:51
ChartBook Commodities
26 de Fevereiro de 2024
[ download ]
28.02.2024 08:51
ChartBook EUR Macro
26 de Fevereiro de 2024
[ download ]
28.02.2024 08:51
ChartBook US Macro
26 de Fevereiro de 2024
[ download ]
A reunião de política monetária do Banco Central Europeu será o evento mais importante da próxima semana na Quinta-feira, dia 7 de Março e não são esperadas alterações às taxas de juro directores. O destaque será mais nas projecções macroeconómicas do banco central em que a inflação e Produto Interno Bruto da Zona Euro para 2024 deverão ser revistos em baixa. Nos Estados Unidos, o vencedor das eleições não é o candidato com mais votos mas quem conquista o maior número de delegados de cada Estado. Esses são distribuídos para o candidato mais votado. A principal data será no dia 5 de Março, conhecido como o "Super Tuesday", em que um total de 16 estados e um território vão a votos nas primárias dos Estados Unidos da América. Jerome Powell, presidente da Reserva Federal terá duas intervenções, nos dias 6 e 7 de Março, perante o Congresso norte-americano. Ao longo da semana realizam-se várias intervenções de membros da Fed antes do período "blackout" devido à sua reunião de política monetária nos dias 19 e 20 de Março. Na Sexta-feira será divulgado o relatório do emprego do mês de Fevereiro nos Estados Unidos. Os economistas esperam uma descida de 353 mil empregos para 180 mil em Fevereiro e a manutenção da taxa de desemprego nos 3,7% A época de resultados do 4.º trimestre entra na recta final com apenas 8 empresas do índice S&P e 58 empresas do índice Stoxx 600 a apresentarem os seus resultados. Em Portugal, as seguintes empresas revelam as suas contas anuais na próxima semana: Mota-Engil e NOS (dia 5), Jerónimo Martins (dia 6) e Redes Energéticas Nacionais (dia 7).   Segunda-feira, 04 de Março 2024 • 08h00: Taxa de Desemprego Espanha (Fev) • 09h30: Confiança do Investidor Sentix Zona Euro (Mar) • 11h30: Discurso de Holzmann, membro do BCE • 16h00: Discurso de Harker, membro da Fed • 23h30: Inflação Tóquio (Fev) • Resultados Empresariais Europa: Evonik Industries (06h00), Henkel (AA) • Resultados Empresariais EUA: Archer-Daniels-Midland Terça-feira, 05 de Março 2024 • 00h01: Vendas a Retalho Reino Unido (Fev) • Índice PMI Serviços (Fev): Japão (00h30), China (01h45), Espanha (08h15), França (08h50), Alemanha (08h55), Zona Euro (09h00), Reino Unido (98h30) e Estados Unidos (14h45) • 07h45: Produção Industrial França (Jan) • 10h00: Indíce de Preços ao Produtor Zona Euro (Jan) • 15h00: Encomendas às Fábricas EUA (Jan) • 15h00: Índice ISM Serviços EUA (Fev) • 15h00: Encomendas de Bens Duradouros EUA (Jan) • Resultados Empresariais Portugal: Mota-Engil (AA), NOS (DF) • Resultados Empresariais Europa: Thales (06h00), Bayer (06h30) • Resultados Empresariais EUA: Target (AA), Ross Stores (21h00) Quarta-feira, 06 de Março 2024 • 07h00: Balança Comercial Alemanha (Jan) • 08h30: Índice PMI Construção Alemanha (Fev) • 09h30: Índice PMI Construção Reino Unido (Fev) • 10h00: Vendas a Retalho Zona Euro (Jan) • 13h15: Criação de Emprego ADP EUA (Fev) • 15h00: Discurso de Jerome Powell, presidente da Fed perante o Congresso • 15h00: Inventários e Vendas dos Grossistas EUA (Jan) • 15h00: Criação de Emprego JOLTS (Jan) • 15h30: Inventários Semanais de Energia EUA • Discursos de vários membros da Fed: Daly (17h00) e Kashkari (21h15) • 19h00: Fed publica "Beige Book" • Resultados Empresariais Portugal: Jerónimo Martins (DF) • Resultados Empresariais Europa: Deutsche Post (06h00), Dassault Aviation (AA), Teleperformance (16h45), Pirelli • Resultados Empresariais EUA: Campbell Soup (AA), JD.COM (AA) Quinta-feira, 07 de Março 2024 • Balança Comercial China (Fev) • 07h00: Encomendas às Fábricas Alemanha (Jan) • 08h00: Output Industrial Espanha (Jan) • 08h00: Preços das Casas Espanha (4.º Tri) • 13h15: Decisão sobre as taxas de juro do Banco Central Europeu • 13h30: Balança Comercial EUA (Jan) • 13h30: Produtividade Não-agrícola EUA (4.º Tri) • 13h30: Custos Unitários de Emprego EUA (4.º Tri) • 13h30: Pedidos Semanais de Subsídio de Desemprego EUA • 13h45: Discurso de Christine Lagarde, presidente do BCE • 15h00: Discurso de Jerome Powell, presidente da Fed perante o Congresso • 23h50: Balança Comercial Japão (Jan) • Resultados Empresariais Portugal: Redes Energéticas Nacionais (DF) • Resultados Empresariais Europa: Merck (06h00), Hugo Boss (06h30), Continental (06h30), Deutsche Lufthansa (AA), Vivendi (DF) • Resultados Empresariais EUA: Broadcom (DF), Costco Wholesale (21h15), GAP (21h15) Sexta-feira, 08 de Março 2024 • 05h00: Coincident e Leading Index Japão (Fan) • 07h00: Produção Industrial Alemanha (Jan) • 07h00: Indíce de Preços ao Produtor Alemanha (Jan) • 07h45: Balança Comercial França (Jan) • 09h00: Discurso de Holzmann, membro do BCE • 10h00: PIB Zona Euro (4.º Tri) • 10h00: Emprego Zona Euro (4.º Tri)  • 11h00: Índice de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Portugal (Jan) • 13h30: Criação de Emprego Não-Agrícola EUA (Fev) • 13h30: Taxa de Desemprego EUA (Fev) • 13h30: Produtividade Não-Agrícola EUA (2.º Tri)  • 15h00: Índice de Confiança da Universidade de Michigan EUA (Fev) • 15h00: Expectativas de Inflação a 1 ano e 5 a 10 anos EUA (Fev) • 15h00: Índice ISM EUA (Fev) • Discursos de vários membros da Fed: Williams (12h00), Bostic (17h15) e Daly (18h30) • Resultados Empresariais Europa: Admiral Group  • Resultados Empresariais EUA: Oracle Para consultar a agenda semanal, aceda ao link abaixo:  Agenda Semanal - 04 a 08 de Março 2024 Para consultar os resultados empresariais, aceda aos links abaixo:  Resultados Empresariais - 04 a 08 de Março 2024
Desde 1977, o índice Nasdaq atingiu máximos históricos após uma queda de 20% em 10 vezes. Nas 252 sessões de negociação a seguir, o ganho médio do índice Nasdaq foi de 20%. Em suma, implica que o índice Nasdaq poderá atingir os 19.000 pontos até 29 de Fevereiro de 2025.
O índice PMI do sector industrial no Estados Unidos aumentou para 52,2 em Fevereiro face a 51,5 no mês anterior e superando os 51,5 previstos pelos economistas.
Legendas da tabela periódica: • Quanto mais escura a cor, maior o risco • Quanto mais à direita o activo estiver, menos líquido será
Segundo o gráfico do Macrobond, existe uma correlação inversa entre o nível de corrupção (Eixo-Y = valor elevado corresponde a corrupção reduzida) e o PIB real per capita (Eixo-X). Em suma, a corrupção é contraproducente para o crescimento económico a longo prazo.
Os bancos centrais continuam a alertar que ainda não é o momento ideal para iniciar o ciclo de cortes nas taxas de juro. O Banco Central Europeu, por outro lado, tem sido surpreendentemente firme, ao sinalizar que as descidas nas taxas poderão começar já em Junho mas muitos caminhos alternativos continuam a ser possíveis. Os mercados financeiros impulsionam as expectativas de redução das taxas no futuro mas o número total de descidas das taxas de juro já diminuiu. Para as taxas "overnight", os mercados fixam actualmente um mínimo de 2,26% para a Zona Euro e 3,51% para os Estados Unidos. Tal como ilustram as oscilações nas taxas de juro observadas nos últimos meses, as perspectivas para as taxas podem mudar significativamente num período de tempo bastante curto. O gráfico abaixo-mencionada mostra os vários cenários para o futuro.
Em Fevereiro, os preços voltaram a desacelerar na Zona Euro, pelo segundo mês consecutivo, aproximando-se da meta de 2% traçada pelo Banco Central Europeu, mas ficaram acima das expectativas dos analistas.  Apesar de ter regressado à trajectória de redução, a inflação já chegou a estar mais baixa em Novembro (2,4%). Dados preliminares da Inflação em Fevereiro   • Inflação YoY: 2,6% vs 2,5% Est de 2,8% em Janeiro • Inflação MoM: 0,6% vs 0,6% Est. de -0.4% em Janeiro • Inflação Subjacente YoY: 3.1% vs 2,9% Est. de 3,3% em Janeiro A taxa de desemprego na Zona Euro atingiu um mínimo histórico de 6,4% em Janeiro de 6,5% (revisto de 6,4%) no mês anterior em linha com o esperado pelos economistas.
A EDP apresentou resultados anuais ontem, após o fecho do mercado português, que foram abaixo das estimativas dos analistas da Bloomberg: • Resultado Líquido (+40% YoY): €952 mn vs €1,21 mil mn Est. • EBITDA (+11% YoY): €5,02 mil mn vs €5,01 mil mn Est. • EBIT (+11% YoY): €2,80 mil mn vs €3,15 mil mn Est. • Dívida Líquida (+16% YoY): €15,3 mil mn vs €15,16 mil mn Est. A administração da EDP vai propor aos accionistas a distribuição de um dividendo bruto de €0,195 por acção, o que corresponde a um "payout ratio" de 63%. Desde 2017 que a eléctrica distribuía um dividendo bruto com o mesmo valor: €0,19. Agora sobe a remuneração aos accionistas em 2,63%
O índice PMI do sector industrial na Europa desceu para 46,5 em Fevereiro, de 46,6 em Janeiro atingindo um mínimo de dois meses. A actividade industrial na Espanha entrou em terreno de expansão (51,5 vs 49,8 Est.) mas o da Alemanha continua a ser o mais fraco das economias da Zona Euro (42,5 vs 42,3 Est.) Índice PMI Industrial por país: • Grécia: 55.7 (máximo 24 meses) • Irlanda 52.2 (máximo 20 meses) • Espanha 51.5 (máximo 20 meses) • Holanda 49.3 (máximo 13 meses) • Itália 48.7 (máximo 11 meses) • França 47.1 (máximo 11 meses) • Áustria 43.0 (inalterado) • Alemanha 42.5 (mínimo de 4 meses)
Ontem, a inflação na Alemanha desacelerou para 2,5% YoY em Fevereiro, face a 2,9% no mês anterior, abaixo dos 2,6% estimados pelos economistas mas em Espanha e França a inflação foi acima do previsto. Hoje pelas 10h00, será revelada a taxa de inflação na Zona Euro e é esperado 2,5% YoY em Fevereiro, face a 2,8% no mês anterior. A inflação subjacente deverá situar-se nos 2,9% YoY face a 3,3% em Janeiro. No Japão, o índice Nikkei 225 subiu 1,90%, alcançando novos máximos históricos. As bolsas chinesas fecharam em alta, após o índice PMI oficial do sector industrial na China ter superado as expectativas, apesar de se manter em contracção pelo quinto mês consecutivo em Fevereiro. O índice Caixin PMI também foi acima das previsões e está acima de 50 indicando uma expansão do sector industrial. O índice Nasdaq atingiu um novo máximo recorde ontem, pela primeira vez em dois anos, impulsionado pelo entusiasmo dos investidores em relação à inteligência artificial. O índice tecnológico valorizou 0,90% para 16,091.92, superando o anterior recorde de 16,057.44 atingido no dia 19 de Novembro de 2021. A inflação associada ao consumo das famílias foi 2,40% em Janeiro em linha com o esperado. No entanto, o rendimento das famílias americanas aumentou 1%, o maior incremento dos últimos 12 meses mas os mercados esperam um corte das taxas de juro directoras pela Reserva Federal em Junho com uma probabilidade de 56,7%. Dados Macroeconómicos:  Índice PMI (Fev): Japão (00h30), China (01h30), Espanha (08h15), França (08h50), Alemanha (08h55), Zona Euro (09h00), Reino Unido (09h30) e EUA (14h45)  05h00: Índice Confiança Consumidor (Fev)  10h00: Inflação (Fev)  10h00: Taxa de Desemprego (Fev)  11h00: Vendas a Retalho (Jan)  11h00: Produção Industrial (Jan)  15h00: Gastos de Construção (Jan)  15h00: Índice de Confiança da Universidade de Michigan (Fev)  15h00: Índice ISM (Fev) Eventos:  A Standard and Poor’s avalia o "rating" de Portugal  10h00: Discurso de Holzmann, membro do BCE  Discursos de vários membros da Fed: Williams (01h10), Barkin (13h30), Goolsbee (15h00/21h00), Waller (15h15), Logan (15h15), Bostic (17h15), Daly (18h30) e Kugler (20h20)    Estes são os principais destaques da imprensa hoje:  Grandes obras contratadas disparam 130% com PRR  EDP sobe lucros e distribui 600 milhões em Dividendos  Receita com impostos cai ao fim de dois anos e meio  Dívida que não conta para a UE puxou rácio para baixo dos 100%  Swissport e Aviapartner na "short list" para comprar Portway à ANA  BCE já está a avaliar compra de EuroBic pelo Abanca e deverá aprovar operação até Junho  Após anos de carência, a partir de 2026 haverá excesso de médicos de família  Portugueses apostaram quase 8,6 milhões por dia  Rui Tavares admite "dialogar" com a AD  Obras na ferrovia e rodovia sobem para 1.200 milhões de euros em 2024
O UBS divulgou a sua lista de dez possíveis surpresas para o ano de 2024: 1) A Inteligência Artificial generativa consegue acelerar a produtividade para 2,5% e por conseguinte, o índice S&P 500 valoriza 20% em 2024. 2) O PIB nominal da China desacelera para 3%. 3) A "yield curve" entre as obrigações do Tesouro EUA a três e 10 anos aumenta para 2%. 4) Os investidores afastam as obrigações na diversificação das suas carteiras. 5)  As farmacêuticas europeias tornam-se o sector com o melhor desempenho na Europa em 2024. 6) Nem Biden nem Trump serão eleitos Presidente dos Estados Unido em 2024. 7) Paz na Ucrânia. 8) A volatilidade do Japão dispara acentuadamente em relação aos Estados Unidos. 9) A capitalização bolsista da Apple desce abaixo do patamar de 2 biliões de dólares em 2024. 10) As taxas de juro nos Estados Unidos descem mas a cobrança de juros às empresas aumenta.
A fabricante suíça, que domina o segmento dos relógios de luxo, produziu 1,24 milhões de unidades no ano passado, facturando mais de 11,5 mil milhões de dólares, segundo o Morgan Stanley. Por comparação, as vendas da Rolex superam as dos cinco rivais mais próximos - Cartier, Omega, Audemars Piguet, Patek Philippe e Richard Mille - todas somadas. A Rolex alcançou uma fatia de um pouco mais de 30% no segmento dos relógios de luxo no ano passado. A Rolex está entre as marcas de luxo mais valiosas mas a Louis Vuitton é que lidera os produtos de luxo.  A Louis Vuitton, tal como a Rolex, também detém uma posição dominante no seu respectivo segmento de mala de luxos, com uma quota de mercado de 19%.
A Berkshire Hathaway é a empresa que está mais próxima de atingir uma capitalização bolsista de um bilião de dólares e logo a seguir a Eli Lilly.
O indicador preferido da Reserva Federal, o índice PCE em linha com as expectativas dos economistas: - Deflator do Consumo Privado: 2,4% YoY, de 2,6% em Dezembro vs 2,4% previstos - Deflator do Consumo Privado: 0,3% MoM, de 0,1% em Dezembro (revisto de 0,2%) vs 0,3% previstos - Deflator do Consumo Privado "Core": 2,8% YoY, de 2,9% no mês anterior vs 2,8% estimado - Deflator do Consumo Privado "Core": 0,4% MoM, de  0,1% em Dezembro (revisto de 0,2%) vs 0,4% estimado Os rendimentos pessoais superaram as previsões e as despesas pessoais foram em linha com o estimado pelos economistas: - Rendimentos Pessoais: 1,0% MoM; previsão 0,4% MoM; anterior 0,3% MoM; - Despesas Pessoais: 0,2% MoM; previsão 0,2% MoM; anterior 0,7% MoM; O mercado de futuros já atribui uma probabilidade de 79% ao cenário de corte dos juros directores pela Reserva Federal até Junho, ou seja, 2,7% em Março, 18,4% em Maio e 58,2% em Junho.
Hoje duas companhias aéreas apresentaram os seus resultados do 4.º trimestre antes da abertura do mercado: Air France-KLM: Resultados aquém das previsões dos analistas devido aos custos mais elevados. Para o 1.º trimestre, o grupo projecta um aumento de custos de 4% face a 2023, associado às operações e ao pagamento único de 2% do salário anual aos seus funcionários. • Resultado Líquido: €(256) mn vs €(154,8) mn Est. • Resultado operacional: €(56) mn vs €139,4 mn Est. • Receitas (+3,9%): €7,41 mil mn vs €7,44 mil mn Est. - EBITDA (-24% YoY): €601 mn vs €790,2 mn Est. • Factor de ocupação de passageiros: 85% vs 86% Est. • Dívida líquida: €5 mil mn vs €4,37 mil mn Est. • Número de quilómetros disponíveis (+5% YoY): 3,5 mil mn vs 3,64 mil mn Est. International Airlines Group: Resultados em linha com o esperado pelos analistas mas não irá distribuir dividendos relativamente a 2023 • Resultado operacional ajustado (+5,2%): €502 mn vs €504 mn Est. • Receitas (+13%): €7,22 mil mn vs €7,14 mil mn Est. • Factor de ocupação de passageiros: 83,7% vs 83, Est. • Dívida líquida: €5 mil mn vs €4,37 mil mn Est. • Número de quilómetros disponíveis: (+14% YoY): 80,82 mil mn vs 81,95 Est.
Porquê investir?
Healthcare: uma visão mais optimista para 2024
25.01.2024
Hoje Resultados Portugal Feriados 2024
  • 3
    4
    [es]08h00: Taxa de Desemprego (Fev)
    [eu]09h30: Confiança do Investidor Sentix (Mar)
    [eu]11h30: Discurso de Holzmann, membro do BCE
    [us]16h00: Discurso de Harker, membro da Fed
    [jp]23h30: Inflação Tóquio (Fev)
    [eu]Resultados Empresariais: Evonik Industries (06h00), Henkel (AA)
    [us]Resultados Empresariais: Archer-Daniels-Midland
  • 3
    5
    [uk]00h01: Vendas a Retalho (Fev)
    [mundo]Índice PMI Serviços (Fev): Japão (00h30), China (01h45), Espanha (08h15), França (08h50), Alemanha (08h55), Zona Euro (09h00), Reino Unido (98h30) e Estados Unidos (14h45)
    [fr]07h45: Produção Industrial (Jan)
    [eu]10h00: Indíce de Preços ao Produtor (Jan)
    [us]15h00: Encomendas às Fábricas (Jan)
    [us]15h00: Índice ISM Serviços (Fev)
    [us]15h00: Encomendas de Bens Duradouros (Jan)
    [pt]Resultados Empresariais: Mota-Engil (AA), NOS (DF)
    [eu]Resultados Empresariais: Thales (06h00), Bayer (06h30)
    [us]Resultados Empresariais: Target (AA), Ross Stores (21h00)
  • 3
    6
    [de]07h00: Balança Comercial (Jan)
    [de]08h30: Índice PMI Construção (Fev)
    [uk]09h30: Índice PMI Construção (Fev)
    [eu]10h00: Vendas a Retalho (Jan)
    [us]13h15: Criação de Emprego ADP (Fev)
    [us]15h00: Discurso de Jerome Powell, presidente da Fed perante o Congresso
    [us]15h00: Inventários e Vendas dos Grossistas (Jan)
    [us]15h00: Criação de Emprego JOLTS (Jan)
    [us]15h30: Inventários Semanais de Energia 
    [us]Discursos de vários membros da Fed: Daly (17h00) e Kashkari (21h15)
    [us]19h00: Fed publica "Beige Book"
    [pt]Resultados Empresariais: Jerónimo Martins (DF)
    [eu]Resultados Empresariais: Deutsche Post (06h00), Dassault Aviation (AA), Teleperformance (16h45), Pirelli
    [us]Resultados Empresariais: Campbell Soup (AA), JD.COM (AA)
  • 3
    7
    [cn]Balança Comercial (Fev)
    [de]07h00: Encomendas às Fábricas (Jan)
    [es]08h00: Output Industrial (Jan)
    [es]08h00: Preços das Casas (4.º Tri)
    [eu]13h15: Decisão sobre as taxas de juro do Banco Central Europeu
    [us]13h30: Balança Comercial (Jan)
    [us]13h30: Produtividade Não-agrícola (4.º Tri)
    [us]13h30: Custos Unitários de Emprego (4.º Tri)
    [us]13h30: Pedidos Semanais de Subsídio de Desemprego 
    [eu]13h45: Discurso de Christine Lagarde, presidente do BCE
    [us]15h00: Discurso de Jerome Powell, presidente da Fed perante o Congresso
    [jp]23h50: Balança Comercial (Jan)
    [pt]Resultados Empresariais: Redes Energéticas Nacionais (DF)
    [eu]Resultados Empresariais: Merck (06h00), Hugo Boss (06h30), Continental (06h30), Deutsche Lufthansa (AA), Vivendi (DF)
    [us]Resultados Empresariais: Broadcom (DF), Costco Wholesale (21h15), GAP (21h15)
  • 3
    8
    [jp]05h00: Coincident e Leading Index (Fan)
    [de]07h00: Produção Industrial (Jan)
    [de]07h00: Indíce de Preços ao Produtor (Jan)
    [fr]07h45: Balança Comercial (Jan)
    [eu]09h00: Discurso de Holzmann, membro do BCE
    [eu]10h00: PIB (4.º Tri)
    [eu]10h00: Emprego (4.º Tri) 
    [pt]11h00: Índice de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria (Jan)
    [us]13h30: Criação de Emprego Não-Agrícola (Fev)
    [us]13h30: Taxa de Desemprego (Fev)
    [us]13h30: Produtividade Não-Agrícola (2.º Tri) 
    [us]15h00: Índice de Confiança da Universidade de Michigan (Fev)
    [us]15h00: Expectativas de Inflação a 1 ano e 5 a 10 anos (Fev)
    [us]15h00: Índice ISM (Fev)
    [us]Discursos de vários membros da Fed: Williams (12h00), Bostic (17h15) e Daly (18h30)
  •  

  •  

  •  

INVEST OUTLOOK   1º TRIMESTRE 2024
15.02.2024 Análise Técnica

Update: EUROSTOXX50


16.11.2023 Fintech

Porquê investir?


21.02.2024 Análise Técnica

Update: S&P500


Invest AR PPR

  • Hoje

    mar 2, 2024, 01:00 by DCO Elizabeth Fonseca
    Saiba quais os principais indicadores económicos e resultados empresariais agendados para hoje
    Full story
ACESSO INVEST ONLINE