FIQUE A PARAcompanhe os destaques e principais tendências do dia que influenciam as bolsas em todo o mundo.
Outlook Análise Técnica Research Investimento Educação
Invest MonthlyJaneiro de 202220-01-2022  09:50
  • outlook

Indicadores Económicos

 

Os indicadores económicos continuam a evidenciar expansão da actividade económica nos países desenvolvidos. Apesar dos problemas de abastecimento, pressões inflacionistas e do ressurgimento da pandemia, a actividade mantém-se dinâmica. Na Zona Euro, os valores preliminares dos PMIs Manufacturing e Services de Dezembro registaram 58 pontos (face aos 57,8 pontos estimados) e 53,3 pontos (face aos 54,3 pontos estimados), respetivamente. Contudo, os problemas de abastecimento no sector industrial provocaram uma diminuição da produção automóvel pelo terceiro mês consecutivo. Nos serviços, as expectativas deterioraram-se devido à vaga de Covid-19.
 

Nos Estados Unidos, os valores preliminares dos PMIs Manufacturing e Services referentes ao mês de Dezembro situaram-se nos 57,8 (face aos 58,5 pontos estimados) e 57,5 (face aos 58,8 pontos estimados), respetivamente. A taxa de inflação fixou-se nos 6,8%, ficando em linha com as expectativas dos economistas. Mesmo excluindo os componentes mais voláteis como a alimentação e energia, a taxa de inflação core alcançou os 4,9%, também em linha com as estimativas.




Evolução dos Mercados Accionistas

Dezembro foi um mês de subida para a maioria dos principais índices de acções. Na Europa, os índices DAX-30 e o EuroStoxx-50 registaram ganhos expressivos de 5,2% e 5,8%, respectivamente. Nos EUA, os índices S&P-500 e o Nasdaq-100 terminaram com uma valorização 4,4% e 1,1%, respectivamente. A nível nacional, o índice PSI-20 subiu 2,5%. As maiores valorizações do mês foram as da Altri (14,5%), Ramada Investimentos (11,0%) e CTT (9,9%).



Índices Accionistas

indices-accionistas
 

Os mercados accionistas estiveram condicionados pela rápida transmissibilidade da nova variante Ómicron e pelo aumento das restrições em vários países europeus. No entanto, as notícias sobre a eficácia encorajadora das vacinas e a menor letalidade desta variante moderaram a gravidade do impacto esperado na economia e reavivaram parte dos ânimos dos investidores. Destaque para o medicamento da Pfizer que se poderá tomar em casa, para combater os sintomas da Covid-19, e que foi aprovado de emergência pelo regulador americano de saúde (FDA) para pessoas de elevado risco.

 

Na última reunião, o Banco Central Europeu (BCE) garantiu que irá finalizar o programa de emergência (PEPP) em Março de 2022, mas para compensar irá aumentar o ritmo de compra de obrigações. Neste sentido, o BCE irá aumentar as compras mensais para EUR 40 MM (vs actualmente EUR 20 MM), EUR 30 MM no terceiro trimestre e de volta aos EUR 20 MM a partir do quarto trimestre. O BCE manteve as taxas de juro directoras inalteradas e Christine Lagarde voltou a reforçar que é muito improvável haver uma subida das taxas em 2022.


Taxas de Juro

taxas-de-juro

 

Surpreendentemente, o Banco de Inglaterra (BoE) subiu a taxa de juro directora pela primeira vez em três anos, pondo de lado os receios em relação à nova variante do vírus para combater a taxa de inflação mais elevada da última década. O primeiro grande banco central a subir a sua taxa de referência desde que começou a pandemia, optou por aumentar o custo de financiamento em 15 pontos base para 0,25%. No entanto, o BoE decidiu manter o programa de compra de obrigações, mantendo também o limite de GBP 895 MM no montante total de compras.

 

Na última reunião monetária, a Reserva Federal norte-americana (FED) decidiu aumentar o ritmo de redução do programa de compra de activos para USD 30 MM a partir de Janeiro, o que levará a uma compra total de USD 60 MM nesse mês, e mantendo este ritmo de redução, comprará USD 30 MM em Fevereiro e deixará de comprar obrigações em Março, abrindo assim a possibilidade para começar a subir as taxas de juro no resto do ano. Na reunião anterior, o banco central tinha reduzido a compra de obrigações mensais em 15 MM, que levou a uma compra de USD 105 MM no final de Novembro e USD 90 MM em Dezembro.  O presidente da FED, Jerome Powell sinalizou que a inflação é agora o inimigo número um contra a preservação da expansão económica e do retorno do mercado de trabalho aos níveis pré-pandémicos.

 

Taxa de Câmbio

taxas-de-cambio

Commodities

commodities
  Obs: Cotações a 31/12/2021. Fonte: Bloomberg. Banco Invest

De modo a estimular a economia, a China cortou a taxa de referência a um ano de 3,85% para 3,80%. É o primeiro corte desde Abril de 2020. No início de Dezembro o banco central já tinha diminuído a quantidade de reservas que os bancos necessitam de ter de modo a injectar liquidez na economia.



Alocação de Activos

As carteiras encerraram o mês de Dezembro com uma valorização de 2,4%, menos 100bp do que o respectivo benchmark (3,4%). Nos últimos doze meses, a valorização ascende a 9,2%, contra os 15,4% registados pelo benchmark.

O último mês do ano revelou-se positivo para os mercados acionistas. Nos Estados-Unidos, o índice S&P-500 valorizou 4,4%, fechando o ano em máximos históricos. Na Europa, o índice EuroStoxx-50 subiu 5,8%, e, entre os mercados emergentes, o índice global dos emergentes (MSCI EM) subiu 1,6%. Parte destas subidas generalizadas são explicadas pelo optimismo gerado pelas recentes informações sobre a menor gravidade da variante ómicron que, apesar da sua rápida propagação, parece ser menos severa que as estirpes anteriores. Nos Estados Unidos, depois da inflação subir 6,8%, o valor mais alto desde 1982, o presidente da FED, Jerome Powell, afirmou que é esperado haver múltiplas subidas da taxa de juro em 2022 e que irá acelerar o ritmo da redução mensal do programa de compra de activos. Desta forma, o programa de compras é esperado terminar em Março de 2022, vários meses antes em comparação com o calendário anterior. Já na Europa, Lagarde veio dizer que é muito improvável uma subida da taxa de juro na Europa e que o programa de compra de emergência pandémica (PEPP) é esperado acabar no final de Março de 2022. No entanto, o programa de compra de activos (APP) é esperado continuar até pelo menos 2023. Na componente das obrigações, destaque pela positiva do segmento de High Yield que subiu +1,5% (EurH) enquanto que o segmento de Investment Grade global desceu -0,3% (EurH).

As carteiras beneficiaram da subida dos mercados acionistas e da redução dos spreads de crédito nas obrigações. No mês de Dezembro, reforçaram-se as posições em acções europeias, de forma a aproveitar as quedas no inicio do mês. Entre os emergentes, abriu-se uma posição no mercado acionista do Vietnam, uma economia com perspectivas positivas nos próximos anos.


Estratégia de Investimento

Alocação de Activos

estrategia-investimento

Rendibilidade Histórica

Invest - Dinâmico

rendibilidade-historica





Disclaimer:
A informação contida neste documento tem um carácter exclusivamente informativo e particular. A informação foi obtida junto de fontes consideradas fiáveis, não sendo, contudo, possível garantir a sua precisão. As opiniões expressas são da inteira responsabilidade dos seus autores, reflectindo apenas os seus pontos de vista, os quais podem não ser coincidentes com opiniões expressas por outras áreas do Banco Invest, SA. O Banco Invest, SA rejeita qualquer responsabilidade por eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente, da utilização da informação referida neste documento. O Banco Invest, SA e os seus colaboradores poderão deter posições em qualquer activo mencionado neste documento. A reprodução de parte ou totalidade desta publicação é permitida, sujeita a indicação da fonte. Relativamente ao produto “Invest – Dinâmico”, as taxas de rendibilidade apresentadas são líquidas de comissões de gestão e correspondem à mediana das rendibilidades das carteiras sobre gestão discricionária no perfil “Dinâmico”. As rendibilidades dos índices que compõem o Benchmark são obtidas junto da Bloomberg. Taxas de rendibilidade e risco calculadas com base na cotação dos diversos ativos a 31-Dez-21. Rendibilidades passadas não constituem garantia de rendibilidades futuras. A rendibilidade do investimento depende da evolução dos ativos detidos em Carteira, e pode ser influenciada por factores políticos, económicos e financeiros, incluindo variações cambiais, que estão inter-relacionados, bem como por outros factores que afectam, genericamente, os mercados financeiros.

 

Descubra a palavra do dia

WORDSPOT
  • 5
    26
    [jp]00h50: Índice de Preços ao Produtor (Abr)
    [it]09h00: Indicadores de Confiança (Mai)
    [us]13h30: PIB (1.º Tri)
    [us]13h30: Pedidos Semanais de Desemprego 
    [us]15h00: Vendas de Casas Pendentes (Abr)
    [us]16h00: Actividade Industrial da Fed Kansas City (Mai)
    [pt]16h30: Assembleia Geral da Ibersol
    [pt]Sonaecom paga dividendo de 19,4 cêntimos por acção aos accionistas
    [pt]10h00: Assembleia Geral da Glintt
    [pt]16h30: Assembleia Geral da Ibersol
    [pt]Resultados Empresariais: Altri (DF)
    [eu]Resultados Empresariais: United Utilities Group (08h30)
    [us]Resultados Empresariais: Alibaba (AA), Medtronic (11h45), Dollar General (AA), Dollar Tree (AA), Autodesk (DF), Ulta Beauty (DF), Costco Wholesale (21h15)
  • 5
    27
    [jp]00h30: Inflação (Mai)
    [cn]02h30: Lucros Industriais (Abr)
    [es]08h00: Vendas a Retalho (Abr)
    [eu]09h00: Oferta Monetária M3 (Abr)
    [pt]10h30: Assembleia Geral da Navigator
    [eu]12h35: Discurso de Lane, membro do BCE
    [us]13h30: Inventários dos Grossistas (Abr)
    [us]13h30: Rendimentos e Despesas Pessoais (Abr)
    [us]13h30: Índice PCE (Abr)
    [us]15h00: Índice de Confiança da Universidade de Michigan (Mai)
    [pt]15h30: Assembleia Geral da Semapa
    [pt]Resultados Empresariais: Semapa (DF)
  •  

  •  

  •  

Invest Monthly

jan 20, 2022, 09:50 by DME Inês Silva
Janeiro de 2022

Indicadores Económicos

 

Os indicadores económicos continuam a evidenciar expansão da actividade económica nos países desenvolvidos. Apesar dos problemas de abastecimento, pressões inflacionistas e do ressurgimento da pandemia, a actividade mantém-se dinâmica. Na Zona Euro, os valores preliminares dos PMIs Manufacturing e Services de Dezembro registaram 58 pontos (face aos 57,8 pontos estimados) e 53,3 pontos (face aos 54,3 pontos estimados), respetivamente. Contudo, os problemas de abastecimento no sector industrial provocaram uma diminuição da produção automóvel pelo terceiro mês consecutivo. Nos serviços, as expectativas deterioraram-se devido à vaga de Covid-19.
 

Nos Estados Unidos, os valores preliminares dos PMIs Manufacturing e Services referentes ao mês de Dezembro situaram-se nos 57,8 (face aos 58,5 pontos estimados) e 57,5 (face aos 58,8 pontos estimados), respetivamente. A taxa de inflação fixou-se nos 6,8%, ficando em linha com as expectativas dos economistas. Mesmo excluindo os componentes mais voláteis como a alimentação e energia, a taxa de inflação core alcançou os 4,9%, também em linha com as estimativas.




Evolução dos Mercados Accionistas

Dezembro foi um mês de subida para a maioria dos principais índices de acções. Na Europa, os índices DAX-30 e o EuroStoxx-50 registaram ganhos expressivos de 5,2% e 5,8%, respectivamente. Nos EUA, os índices S&P-500 e o Nasdaq-100 terminaram com uma valorização 4,4% e 1,1%, respectivamente. A nível nacional, o índice PSI-20 subiu 2,5%. As maiores valorizações do mês foram as da Altri (14,5%), Ramada Investimentos (11,0%) e CTT (9,9%).



Índices Accionistas

indices-accionistas
 

Os mercados accionistas estiveram condicionados pela rápida transmissibilidade da nova variante Ómicron e pelo aumento das restrições em vários países europeus. No entanto, as notícias sobre a eficácia encorajadora das vacinas e a menor letalidade desta variante moderaram a gravidade do impacto esperado na economia e reavivaram parte dos ânimos dos investidores. Destaque para o medicamento da Pfizer que se poderá tomar em casa, para combater os sintomas da Covid-19, e que foi aprovado de emergência pelo regulador americano de saúde (FDA) para pessoas de elevado risco.

 

Na última reunião, o Banco Central Europeu (BCE) garantiu que irá finalizar o programa de emergência (PEPP) em Março de 2022, mas para compensar irá aumentar o ritmo de compra de obrigações. Neste sentido, o BCE irá aumentar as compras mensais para EUR 40 MM (vs actualmente EUR 20 MM), EUR 30 MM no terceiro trimestre e de volta aos EUR 20 MM a partir do quarto trimestre. O BCE manteve as taxas de juro directoras inalteradas e Christine Lagarde voltou a reforçar que é muito improvável haver uma subida das taxas em 2022.


Taxas de Juro

taxas-de-juro

 

Surpreendentemente, o Banco de Inglaterra (BoE) subiu a taxa de juro directora pela primeira vez em três anos, pondo de lado os receios em relação à nova variante do vírus para combater a taxa de inflação mais elevada da última década. O primeiro grande banco central a subir a sua taxa de referência desde que começou a pandemia, optou por aumentar o custo de financiamento em 15 pontos base para 0,25%. No entanto, o BoE decidiu manter o programa de compra de obrigações, mantendo também o limite de GBP 895 MM no montante total de compras.

 

Na última reunião monetária, a Reserva Federal norte-americana (FED) decidiu aumentar o ritmo de redução do programa de compra de activos para USD 30 MM a partir de Janeiro, o que levará a uma compra total de USD 60 MM nesse mês, e mantendo este ritmo de redução, comprará USD 30 MM em Fevereiro e deixará de comprar obrigações em Março, abrindo assim a possibilidade para começar a subir as taxas de juro no resto do ano. Na reunião anterior, o banco central tinha reduzido a compra de obrigações mensais em 15 MM, que levou a uma compra de USD 105 MM no final de Novembro e USD 90 MM em Dezembro.  O presidente da FED, Jerome Powell sinalizou que a inflação é agora o inimigo número um contra a preservação da expansão económica e do retorno do mercado de trabalho aos níveis pré-pandémicos.

 

Taxa de Câmbio

taxas-de-cambio

Commodities

commodities
  Obs: Cotações a 31/12/2021. Fonte: Bloomberg. Banco Invest

De modo a estimular a economia, a China cortou a taxa de referência a um ano de 3,85% para 3,80%. É o primeiro corte desde Abril de 2020. No início de Dezembro o banco central já tinha diminuído a quantidade de reservas que os bancos necessitam de ter de modo a injectar liquidez na economia.



Alocação de Activos

As carteiras encerraram o mês de Dezembro com uma valorização de 2,4%, menos 100bp do que o respectivo benchmark (3,4%). Nos últimos doze meses, a valorização ascende a 9,2%, contra os 15,4% registados pelo benchmark.

O último mês do ano revelou-se positivo para os mercados acionistas. Nos Estados-Unidos, o índice S&P-500 valorizou 4,4%, fechando o ano em máximos históricos. Na Europa, o índice EuroStoxx-50 subiu 5,8%, e, entre os mercados emergentes, o índice global dos emergentes (MSCI EM) subiu 1,6%. Parte destas subidas generalizadas são explicadas pelo optimismo gerado pelas recentes informações sobre a menor gravidade da variante ómicron que, apesar da sua rápida propagação, parece ser menos severa que as estirpes anteriores. Nos Estados Unidos, depois da inflação subir 6,8%, o valor mais alto desde 1982, o presidente da FED, Jerome Powell, afirmou que é esperado haver múltiplas subidas da taxa de juro em 2022 e que irá acelerar o ritmo da redução mensal do programa de compra de activos. Desta forma, o programa de compras é esperado terminar em Março de 2022, vários meses antes em comparação com o calendário anterior. Já na Europa, Lagarde veio dizer que é muito improvável uma subida da taxa de juro na Europa e que o programa de compra de emergência pandémica (PEPP) é esperado acabar no final de Março de 2022. No entanto, o programa de compra de activos (APP) é esperado continuar até pelo menos 2023. Na componente das obrigações, destaque pela positiva do segmento de High Yield que subiu +1,5% (EurH) enquanto que o segmento de Investment Grade global desceu -0,3% (EurH).

As carteiras beneficiaram da subida dos mercados acionistas e da redução dos spreads de crédito nas obrigações. No mês de Dezembro, reforçaram-se as posições em acções europeias, de forma a aproveitar as quedas no inicio do mês. Entre os emergentes, abriu-se uma posição no mercado acionista do Vietnam, uma economia com perspectivas positivas nos próximos anos.


Estratégia de Investimento

Alocação de Activos

estrategia-investimento

Rendibilidade Histórica

Invest - Dinâmico

rendibilidade-historica





Disclaimer:
A informação contida neste documento tem um carácter exclusivamente informativo e particular. A informação foi obtida junto de fontes consideradas fiáveis, não sendo, contudo, possível garantir a sua precisão. As opiniões expressas são da inteira responsabilidade dos seus autores, reflectindo apenas os seus pontos de vista, os quais podem não ser coincidentes com opiniões expressas por outras áreas do Banco Invest, SA. O Banco Invest, SA rejeita qualquer responsabilidade por eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente, da utilização da informação referida neste documento. O Banco Invest, SA e os seus colaboradores poderão deter posições em qualquer activo mencionado neste documento. A reprodução de parte ou totalidade desta publicação é permitida, sujeita a indicação da fonte. Relativamente ao produto “Invest – Dinâmico”, as taxas de rendibilidade apresentadas são líquidas de comissões de gestão e correspondem à mediana das rendibilidades das carteiras sobre gestão discricionária no perfil “Dinâmico”. As rendibilidades dos índices que compõem o Benchmark são obtidas junto da Bloomberg. Taxas de rendibilidade e risco calculadas com base na cotação dos diversos ativos a 31-Dez-21. Rendibilidades passadas não constituem garantia de rendibilidades futuras. A rendibilidade do investimento depende da evolução dos ativos detidos em Carteira, e pode ser influenciada por factores políticos, económicos e financeiros, incluindo variações cambiais, que estão inter-relacionados, bem como por outros factores que afectam, genericamente, os mercados financeiros.

 

ACESSO INVEST ONLINE
Este site utiliza cookies para funcionar correctamente. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. SABER MAIS Concordo